Segurados do INSS podem checar 13º a partir desta semana

Segurados do INSS podem checar 13º a partir desta semana

Já para os segurados que recebem o benefício acima de um salário mínimo, o prazo começa a valer a partir do dia 3 de setembro

O Ministério da Previdência começa a liberar nesta segunda-feira a consulta à primeira parcela do 13º salário de aposentados, pensionistas e segurados que recebem benefícios do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social).

O pagamento abrange quase 26 milhões de benefícios em todo o Brasil e representa uma injeção de recursos da ordem de R$ 11,22 bilhões na economia.

Segundo a Previdência, os extratos serão atualizados ao longo da semana.

O valor estará disponível no extrato de benefício do mês de agosto. O documento poderá ser consultado no site previdência.gov.br.

No banco, o valor deve aparecer no extrato de dois a cinco dias antes do depósito.

A verba começará a ser paga no dia 27 para os benefícios de quem recebe até um salário mínimo --R$ 622--, com final 1, e vai até 10 de setembro.

Já para os segurados que recebem o benefício acima de um salário mínimo, o prazo começa a valer a partir do dia 3 de setembro.

O valor será depositado no mesmo dia do pagamento do benefício e, por isso, deverá aparecer no extrato mensal de pagamento do segurado.

De acordo com a Previdência, o valor aparecerá separado do benefício mensal, destacado como "13º salário" ou "antecipação de Natal".

Na maioria dos casos, os segurados receberão metade do valor do benefício, com exceção de quem passou a ganhar a aposentadoria por incapacidade depois do mês de janeiro.

A primeira parcela não terá descontos de Imposto de Renda. Quem começou a receber depois de janeiro ou recebeu neste ano um auxílio terá o 13º proporcional.

Segundo a Previdência, como o auxílio é temporário, o INSS calcula a antecipação proporcional ao período em que o segurado recebeu o benefício no ano.

Um auxílio que começou a ser pago em janeiro, por exemplo, e que ainda está em vigor, terá o 13º calculado sobre oito meses.

Fonte: Folha.com