Somos o país que menos cresceu no trimestre, diz Guido Mantega

Somos o país que menos cresceu no trimestre, diz Guido Mantega

PIB brasileiro teve queda de 0,5% no terceiro trimestre, segundo o IBGE.

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse nesta terça-feira (3) que o Brasil foi o país que menos cresceu no terceiro trimestre, mas que isso foi resultado de uma alta forte nos três meses anteriores, o que prejudicou a base de comparação.

"Somos o país que menos cresceu entre todos os países do mundo nesse terceiro trimestre", afirmou o ministro, que em seguida explicou que se referia ao conjunto de países pertencentes ao G20 e aos membros dos Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul).

A economia brasileira recuou 0,5% no terceiro trimestre de 2013 em relação ao anterior, que registrou avanço de 1,8% (dado revisado), segundo divulgou nesta terça-feira (3) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Foi a primeira queda do PIB desde o início de 2009, quando a economia "encolheu" 1,6%.

Mantega ressaltou ?houve uma concentração de crescimento no segundo trimestre? (quando o PIB teve alta de 1,8%), e que ?por conta disso, o pais teve dificuldade de crescer agora?. ?A base de comparação fica mais difícil após um bom trimestre".

Segundo o ministro, no entanto, esse resultado favorece o crescimento no quarto trimestre. ?acredito nisso, por conta do aquecimento da economia e pelo consumo?. ?Esta ano, vamos crescer mais que o ano passado? (...) A economia brasileira está em trajetória de crescimento gradual, e isso deve continuar nos próximos trimestres?, apontou.

Ele ressaltou, ainda que o ano tem sido difícil em todo o mundo: "2013 é um ano ainda de crise, provavelmente o último ano de crise. Ano que vem esperamos cenarios melhores".

Em contrapartida, Mantega destacou que o país está crescendo de acordo com o ritmo da economia mundial, que segundo estatísticas deve crescer entre 2,9% e 2,7%. O ministro também destacou que o Brasil deve crescer mais do que em 2012, que a economia brasileira está na trajetória de um crescimento gradual e que o crescimento deve continuar nos próximos trimestres.

?O crescimento se dá em investimentos de bens de capital e devemos terminar esse fator em 6%, mas a nossa dúvida fica em serviços e comércios. Estamos numa trajetória de crescimento, de recuperação e nenhum país está conseguindo grandes crescimentos. Mas esperamos resultados positivos para o quarto trimestre?.

O ministro ressaltou por várias vezes a volatilidade do IBGE ao fazer revisões sobre dos dados trimestrais. A revisão do primeiro trimestre ficou em 0% e a do segundo trimestre em 1.8%.

Terceiro trimestre

O destaque neste terceiro trimestre foi para a queda de 3,5% da agropecuária. Já a indústria e o setor de serviços mostraram a mesma variação, cresceram 0,1%. Os investimentos tiveram baixa de 2,2% e o consumo das famílias subiu 1%.

Em relação à queda do percentual da agricultura, Mantega disse que o fator já era esperado por conta da entressafra nos meses de julho, agosto e setembro, mas que espera novidades e uma agricultura forte para o quarto trimestre.

O ministro ressaltou, entretando, o destaque da indústria no setor extrativo mineral e a recuperação da economia mundial.

Ainda em relação aos dados do terceiro trimestre, Mantega destacou que o saldo desfavorável ao PIB também ocorreu pelo fator de mercado ? ?tivemos menos exportações e aumento das importações".

Fonte: G1