Supermercados têm poucas opções de ovos de Páscoa em Teresina

Muitos consumidores deixaram para comprar os ovos de chocolate no domingo. Apesar da pouca variedade, supermercados ofereciam descontos e promoções para liquidar o estoque

Quem deixou para garantir o ovo de Páscoa na última hora não teve muitas opções. No entanto, como era o dia de “queimar” o estoque, os supermercados apostaram nas promoções e na oferta de brindes para atrair os clientes. A procura maior pelo chocolate foi registrada ainda na véspera do domingo de Páscoa, mas alguns clientes ainda apareceram nos supermercados ontem (05) para não deixar a tradição de lado.


Ao percorrer as prateleiras, notava-se a quantidade mínima de opções de preços e marcas dos ovos disponíveis aos clientes. Segundo Samiliadiana Rodrigues, promotora de uma marca de ovos de chocolate, a maioria das vendas aconteceu no sábado (04). “Ontem muita gente veio comprar. Hoje só temos o que está exposto”, coloca.

Durante toda a manhã de domingo, o movimento de pessoas a procura dos chocolates era fraca, mas a expectativa da promotora era de uma melhora no começo da tarde. “Sempre tem aqueles que só compram na última hora mesmo. Estamos aqui esperando. Temos poucas opções, mas muitas ofertas”, disse.

O cliente que deixou para comprar ontem pôde encontrar ovos de R$ 19,90 (220 gramas) até R$ 49,90 (485 gramas).

Além disso, eles poderiam escolher algumas marcas que ofereciam promoções atrativas, como: “Compre 2 e ganhe mais um ovo” ou “Compre um ovo e ganhe um copo”.

O vendedor Flávio Pereira ficou sem saber qual ovo levar para a filha Maria Júlia, de 2 anos. Sem tempo para comprar antes, ele ficou triste com a falta de opções. “Não tenho nem como escolher. Sem falar que, apesar destas promoções, os preços não caíram”, lamentou.

Por falta de opção e por achar que o preço não estava acessível, a estudante Andréia Sousa preferiu levar barras de chocolate. “Não são ovos, mas têm o mesmo gosto e vão dar para dividir com a família toda. O importante é ter chocolate”, disse.

 

Fonte: Aline Damasceno