Tarifa de luz deve subir mais se leilão não baixar preço à metade

Tarifa de luz deve subir mais se leilão não baixar preço à metade

A conta do setor elétrico neste ano será ainda mais salgada

A conta do setor elétrico neste ano será ainda mais salgada para o consumidor do que o estimado pelo governo na quinta-feira, se o leilão de energia marcado para abril não for bem-sucedido. Pelo programa de socorro às distribuidoras anunciado ontem, as empresas terão de tomar emprestados R$ 8 bilhões, que serão integralmente repassados às tarifas a partir de 2015.

No entanto, para que esse valor seja mantido, o governo precisa que haja interesse e concorrência suficientes para que o preço da energia caia a cerca da metade do atual no leilão ? que contratará energia para entrega imediata em caráter emergencial.

Mas, no mais recente leilão semelhante, promovido pelo governo em dezembro, a oferta de energia não chegou nem à metade da necessidade de contratação das distribuidoras. O mercado atribui o fracasso ao preço-teto da energia, artificialmente baixo, que espantou as empresas.

Expectativa

?Os R$ 8 bilhões são uma expectativa, considerando o que já ocorreu até hoje e o que vai ocorrer até o fim do ano. Imaginando que o leilão vai mitigar todo o problema até o fim do ano?, disse o diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Romeu Rufino. ?O financiamento pode ser maior, se não resolver todo o problema.?

Os empréstimos serão levantados pelas distribuidoras por meio da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) e terão como garantia os repasses integrais desse custo às tarifas.

As distribuidoras de energia elétrica têm enfrentado dificuldades de caixa por causa dos altos custos da compra de energia no mercado livre e do uso massivo de energia térmica por conta do período prolongado de seca.

Ontem, a CCEE anunciou que o preço da energia novamente atingiu o teto e deve ser comercializada até o fim da próxima semana pelo valor de R$ 822 ? 71% mais que o esperado pelo governo no leilão de 25 de abril.

Fonte: Folha de São Paulo