Operadoras de telefonia celular: Tim e Claro lideram ranking em reclamações ao Procon

Operadoras de telefonia celular: Tim e Claro lideram ranking em reclamações ao Procon

Até este mês de junho, a Tim e a Claro foram responsáveis por 11% das queixas.

O segmento das operadoras de telefonia celular mais uma vez lidera a lista do Procon de empresas que mais desagradam os clientes no Piauí. Juntas, a Tim e a Claro são as que mais recebem reclamações dos clientes. Até este mês de junho, foram responsáveis por 11% das queixas que chegaram até o Procon.

Dentre os principais motivos da insatisfação dos consumidores dos serviços oferecidos pelas duas operadoras estão a qualidade dos serviços oferecidos e as cobranças abusivas e indevidas. Se separarmos por empresas, quem lidera o ranking de reclamações passa a ser a Eletrobras, seguida pela Agespisa. As principais reclamações em relação a elas são, além das cobranças indevidas e abusivas, a negociação de débitos.

?Os consumidores que têm débito acumulado e recebem cobranças costumam vir até o Procon para que nós ajudemos na conciliação. Há também as reclamações em relação às denúncias de fraudes.

O cliente recebe a notificação de que está cometendo esse ato ilícito, recebe a cobrança do valor da diferença do consumo e vem ao Procon para reclamar. Isso tudo faz crescer o número de reclamações e nem sempre o erro é da empresa, mas do cliente?, disse o conciliador do Procon, Campelo Júnior.

Ele afirma ainda que isso se deve ao fato de o número de consumidores de água e luz ser bem maior do que o número de consumidores dos serviços de uma determinada operadora de telefonia celular. ?Todos nós nos utilizamos dos serviços de abastecimentos de água e luz, mas nem todos nós somos clientes da empresa Claro ou da Tim, por exemplo?, explicou o conciliador.

Segundo Campelo, cerca de 75% de todos estes problemas levados ao Procon são resolvidos. Para isso é adotado o procedimento da Carta de Informação Preliminar (CIP), espécie de notificação remetida ao fornecedor dos serviços reclamados, contendo um resumo da reclamação dos consumidores, depois disso há um prazo para que o problema seja resolvido. Caso isso não aconteça, só a partir de então serão tomadas medidas mais enérgicas. ?Essa nossa medida tem como objetivo diminuir a quantidade de audiências. Nosso índice de acordo entre as partes acaba ficando muito alto?, pontuou.

Fonte: Pollyanna Carvalho