Confira como usar o 13º para acabar com as dívidas

Se você não tem toda a grana, linha de crédito alternativa pode reduzir “bola de neve”

A primeira parcela do 13º salário vai cair na conta da maioria dos brasileiros no próximo dia 30, embora alguns trabalhadores já tenham recebido a grana. Antes de comprar uma televisão nova ou trocar o carro, economistas ouvidos pelo R7 recomendam que o consumidor pagar as dívidas, principalmente as que têm os maiores juros. Veja como usar o dinheiro do 13º para liquidar seus débitos.

O benefício deverá injetar, ao todo, R$ 102 bilhões na economia, segundo cálculos do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos). Uma pesquisa recente da Anefac (Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade) mostrou que 57% dos brasileiros vão usar o 13º para pagar dívidas.

Assim que a grana sair, o brasileiro deve priorizar o pagamento das dívidas do cartão de crédito e do cheque especial, que têm os maiores juros, explica o vice-presidente da Anefac, Roberto Vertamatti.

- Se o brasileiro estiver endividado no cheque especial ou no cartão de crédito, ele deve usar todo o 13º para quitar essas dívidas, ainda que ele tenha que fazer compras [de Natal] parceladas. Isso porque o juro do cartão de crédito chega a 240% ao ano. O cheque especial chega a 130% ou 140%. Então, o primeiro passo é ele acabar com a dívida.

Nos Estados Unidos, por exemplo, essas duas modalidades também são as mais caras. Entretanto, os juros do cartão de crédito vão de 40% a 50% ao ano, e os cheque especial vão de 20% a 25%, diz Vertamatti.

Carlos Stempniewski, professor de finanças das Faculdades Rio Branco, concorda com o economista da Anefac.

- Usar o dinheiro do 13º salário para o consumo seria minha última opção: livre-se de dívidas!

O superintendente de empréstimos às pessoas físicas do banco Santander, Rogério Estevão, explica que diminuir o endividamento é o uso mais inteligente do 13º. Para os consumidores que não têm a grana suficiente para pagar tudo o que deve, ele sugere a substituição do débito por outro com juro menor.

- Se o consumidor tiver que fazer um endividamento, que ele faça de forma mais planejada. Ele pode trocar a dívida do cheque especial [e do cartão de crédito] a qualquer momento. No mercado, tem uma série de produtos com taxas de juros mais baixas, como o crédito consignado e o crédito parcelado. Com essas duas linhas, ele sai do cheque especial ou se livra da dívida do cartão de crédito, com um prazo de 36 a 48 meses para pagar.

Se você tem dívidas e o 13º salário está prestes a cair na sua conta, veja como liquidar as dívidas do cartão de crédito e do cheque especial com o passo a passo do R7.

Fonte: R7, www.r7.com