Vencedor do Prêmio Nobel se diz auteloso com o mundo e surpreso com o Brasil

O economista Gary Becker diz que o crescimento deve voltar a partir do próximo trimestre e se diz cautelosamente otimista com o mundo - e surpreso c

O economista Gary Becker, vencedor do Prêmio Nobel de economia de 1992 e professor da Universidade de Chicago, está no Brasil pela segunda vez, acompanhado de sua mulher, a historiadora iraniana Guity Nashat. A primeira vez foi 15 anos atrás, justamente quando o país estava estabilizando sua economia. ?Achamos muita coisa diferente, mesmo numa viagem de apenas três dias?, disse Becker, em palestra na manhã desta quinta-feira no evento Insights com Época NEGÓCIOS. ?Sabíamos que a economia está muito melhor, mas ficamos ambos surpresos com o aumento da confiança dos brasileiros e seu otimismo sobre o futuro.?

Ele próprio se diz ?cautelosamente otimista? em relação ao futuro da economia mundial. E resume as razões para seu otimismo de longo prazo na sigla METT - iniciais das palavras, em inglês, Mercado, Educação, Comércio e Tecnologia. ?São todas forças poderosas, que interagem umas com as outras para criar crescimento na economia global?, afirma.

Quanto aos motivos para cautela, o primeiro, naturalmente, é a recessão. Ou quando sairemos dela. ?Há não muito tempo, muitos colegas diziam que estávamos entrando numa nova Grande Depressão. Escrevi um artigo para o Wall Street Journal dizendo que não?, afirma Becker. ?Agora parece que estamos no momento da virada. O declínio do PIB americano está desacelerando. E parece que no terceiro trimestre vamos começar a ver algum crescimento.? Se for assim, terá havido uma recessão severa no mundo. Mas nada comparável à Grande Depressão.

Outro risco é a inflação. Antes da crise, os bancos americanos tinham, em média, US$ 8 bilhões em excesso de reservas (dinheiro não emprestado). Hoje, têm US$ 80 bilhões. Quando a economia reaquecer, essas instituições vão despejar esse dinheiro no mercado, com juros baixos. Naturalmente, uma combinação inflacionária. Para Becker, a missão do banco central americano, o Fed, será elevar os juros e vender títulos para retirar o excesso de dinheiro do mercado.

Por fim, este economista da escola liberal de Chicago se preocupa com o debate entre diferentes visões do capitalismo - anglo-saxão (focado em mercado e competição) versus francês (mais estatal). ?Este primeiro está sob ataque, o que não é surpresa. Não há dúvida de que o sistema financeiro se comportou mal antes e durante a crise.? O problema, para ele, é que a política econômica do governo Obama está se movendo em direção ao modelo francês de capitalismo. ?Está certo, a GM não foi bem administrada. Mas duvido que o governo faça melhor".

Fonte: Revista Época