Em 6 anos, flagras por embriaguez ao volante aumentam 684% no PI

A lei também prevê penas mais severas

A Lei Seca passou a vigorar em 2008 e a partir de então pode-se verificar uma mudança no comportamento dos motoristas. Mas ao longo dos anos, houve a necessidade de endurecer as suas medidas e, em 2012, se estabeleceu tolerância zero para consumo de bebida alcoólica para os motoristas. A lei também prevê penas mais severas com objetivo de retirar de circulação os condutores embriagados.


Image title

No Piauí, desde a sua implantação até 2014, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) registrou um aumento de 684% no número de motoristas flagrados embriagados, ação que aliada a outros fatores como alta velocidade, é considerada um agravante para a ocorrência de acidentes. No mesmo período, houve um aumento de 36% no número de mortes no trânsito.

De acordo com o inspetor Raimundo Rameiro, da Superintendência da PRF-PI, ainda que tenha havido crescimento significativo nos flagrantes de embriaguez ao volante, isso não refletiu diretamente na redução das mortes. Isso se deve ao fato de que há outras variantes a serem considerados como causa determinante para a ocorrência de mortes, como o excesso de velocidade e as ultrapassagens indevidas.

“Nós temos que considerar o aumento da frota de carros, que corresponde a 8% anualmente. Então, podemos perceber que houve uma diminuição no número de acidentes, já que temos uma média de 200 acidentes com mortes por ano desde que a lei foi sancionada”, afirmou o inspetor Raimundo Rameiro.

O motorista flagrado dirigindo sob efeito de álcool é autuado e terá que pagar uma multa no valor de R$ 1.915. Além de ter a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) recolhida, que será suspensa pelo período de 12 meses, o veículo será retido até outro condutor habilitado se responsabilizar por sua locomoção.

“Existe também a penalidade aplicada ao nível de condução desse motorista que vai depender do teor alcoólico do motorista em que ele será levado para delegacia e poderá ser preso. Ele pode responder pelo crime de embriaguez ao volante e ser recluso pelo período de 6 meses a 3 anos de prisão”, acrescentou.

O inspetor disse ainda que se esse condutor reincidir o crime no intervalo de um ano, poderá haver a cassação definitiva da carteira de habilitação e pagar o valor da multa dobrada.

Esse condutor só poderá retirar uma nova carteira após dois anos de cassação e deverá iniciar um novo processo para retirada da nova CNH como se nunca tivesse sido habilitado.

No momento da abordagem, o policial faz a verificação da documentação e observa a condição física do condutor, em que é verificado se ele apresenta algum sinal de ter ingerido bebida alcoólica.

Caso seja constatado algum sintoma, esse motorista é convidado a fazer o teste do etilômetro, pois a legislação brasileira não obriga nenhum cidadão a fazer o teste.

“Mesmo não havendo esses sintomas, ele é convidado a fazer esse teste, tendo em vista que em algumas situações é possível que o condutor tenha ingerido álcool, mas não apresente nenhuma característica de embriaguez visível a olho nu, principalmente nos casos em que houver acidente de trânsito, em que a Lei obriga o motorista a se submeter a realização do teor alcoólico no sangue”, considerou.

PRF intensifica fiscalização nas BRs do Estado

A PRF vai aumentar as fiscalizações durante o mês de julho com a operação "Férias Escolares", em que é esperado um grande fluxo de veículos nas rodovias federais do Estado, principalmente rumo ao litoral, pois existe um maior deslocamento de pessoas para as praias.

"Já existe uma programação planejada e executada para abordar o maior número de motoristas para verificar se estão conduzindo sob efeito de bebida alcoólica, principalmente porque os motoristas embriagados são responsáveis por causar os acidentes mais graves e com mortes", afirmou.

Campanhas ajudam a reduzir acidentes


Image title A Companhia Independente de Trânsito (Ciptran) possui um convênio com o Detran e a Escola Piauiense de Trânsito, em que realizam um trabalho em conjunto intensivo de prevenção e conscientização sobre os riscos de dirigir ou pilotar um automóvel sob efeito de álcool em Teresina.

De acordo com a tenente Andreia, houve uma redução expressiva de 13% em relação a acidentes com vítimas fatais por conta da fiscalização e das campanhas educativas.

“A redução de acidentes e mortes no trânsito em que o condutor estiver embriagado só vai acontecer mesmo quando a população tiver consciência dos riscos de se dirigir após ingerir álcool. Por mais que existam fiscalizações e campanhas que ajudam nessa redução, o principal mesmo é a conscientização das pessoas”, ponderou.

Ela salientou que uma campanha será realizada durante todo o mês de julho e deve se estender até o final do ano com operações de quarta-feira a sábado, das 21h às 2h da madrugada, em diversos pontos da cidade em que serão realizados testes dos bafômetros para ser feita a aferição. “Essa é uma campanha que vamos intensificar durante o mês de julho, por ser um período de férias escolares”, finalizou.

Atividades destaca paz no trânsito

A campanha "Viva. Não mate, nem morra" tem como objetivo promover a paz no trânsito e foi lançada em parceria do Governo do Estado, por meio do Departamento Estadual de Trânsito (Detran), e com o apoio do Sistema Integrado de Comunicação Meio Norte.

O foco da campanha é conscientizar motoristas, futuros condutores e a população em geral sobre os riscos da imprudência no trânsito, com ações nas escolas da rede pública estadual e blitze educativas pelas ruas e avenidas da capital. A meta do Governo é reduzir a zero os acidentes de trânsito.

As atividades buscam organização do trânsito, formação de um bom condutor, melhoria dos serviços prestados pelo Detran e a conscientização da sociedade por um trânsito mais seguro e humano.

O Sistema Meio Norte de Comunicação apoia a campanha e seguirá divulgando mensagens educativas sobre aspectos que envolvem o trânsito na TV, rádio, jornal e portal Meio Norte. Dessa forma, promove uma grande mobilização que tem como objetivo melhorar o trânsito em todo o Piauí.

Entenda por que ingerir álcool e dirigir é tão perigoso

Conhecer os efeitos do álcool no organismo é muito importante para entender as consequências de se dirigir embriagado. O efeito do álcool está diretamente relacionado à concentração do líquido no sangue.

A Associação Médica Americana considera a quantidade de 0,04 gramas de álcool por 100 mililitros de sangue, uma concentração alcoólica capaz de trazer prejuízos ao indivíduo, causando efeitos nos órgãos como cérebro, estômago, rins e coração.

A taxa de álcool no sangue depende de diversos fatores, como o teor alcoólico da bebida, peso da pessoa e até mesmo o sexo, a raça e a velocidade de ingestão do líquido.

Mas deve-se atentar que quanto maior a quantidade do líquido no organismo, maior o tempo para ser eliminado por completo e, consequentemente, os efeitos serão maiores.

Isto porque o fígado, órgão onde a maior parte das moléculas de etanol são metabolizadas, ou seja, quebradas em partes menores para facilitar sua eliminação, processa por hora o equivalente a uma lata de cerveja ou um copo de vinho, por exemplo.

Profissionais da saúde destacam que a capacidade do fígado destruir o álcool é limitada, embora constante, e são necessárias várias passagens pelo fígado para que ele seja destruído completamente.

Glicose ou café forte não ajudam, em hipótese alguma, a eliminar o álcool mais depressa. Isso significa que quem bebeu um copo de chope ou de vinho deve, de todo modo, esperar pelo menos uma hora para poder dirigir um automóvel com mais segurança.

No caso de ingestão em grande quantidade, aumenta-se o risco de acidentes, principalmente por causa dos efeitos do álcool no cérebro.

Fonte: Waldelúcio Barbosa