Em média, oito pênis de homens entre 50 e 60 anos são amputados por mês no Piauí

Em média, oito pênis de homens entre 50 e 60 anos são amputados por mês no Piauí

A faixa etária na qual mais se verifica esse tipo de ocorrência é entre 50 e 60 anos.

Uma medida simples, baseada no hábito da higiene, poderia evitar a estimativa de aproximadamente 100 pênis amputados por ano em um dos maiores hospitais do Piauí, cerca de oito por mês. O dado é de um levantamento feito pelo urologista Jolberto Golçalves Carvalho, com o objetivo de desenvolver campanhas educativas voltadas para prevenção do câncer de pênis. O especialista detectou que a faixa etária na qual mais se verifica esse tipo de ocorrência é entre 50 e 60 anos. No entanto, Jolberto Gonçalves revela que já realizou a amputação do pênis de um rapaz com apenas 26 anos, embora isso seja uma raridade. “São pessoas, em sua maioria, da zona rural, analfabetas ou semianalfabetas. O que me causou admiração também foi o fato de 70% desses pacientes serem casados”, revela o médico. Baseado nisso, Jolberto sugere que a orientação comece pelas parceiras. “Ela deve saber identificar alguma alteração. Não tem por que, nos dias de hoje, os parceiros não se verem, não se tocarem”, afirma, acrescentando que campanhas envolvendo agentes comunitários e os meios de comunicação de massa também são indicadas. Segundo o presidente da Sociedade Teresinense de Urologia, Emmanuel Fontes, a falta de higiene é apontada como a principal causa da ocorrência do câncer de pênis e sua consequente amputação. “Homens que têm fimose e não fazem a cirurgia para descobrir a glande possuem maior possibilidade de desenvolver a doença porque isso dificulta a limpeza”, revela Fontes. Além disso, doenças sexualmente transmissíveis como o HPV, podem contribuir para esse tipo de ocorrência. No Brasil, uma recente pesquisa mostrou que o câncer de pênis é responsável por 2% dos tumores malignos em homens, conferindo ao país uma das maiores incidências do mundo. Cerca de mil amputações são realizadas anualmente em âmbito nacional. A mesma pesquisa mostra que nas regiões Norte e Nordeste são encontrados mais de 50% dos registros de tumor peniano. Nos casos mais graves, pode ser necessário amputar inclusive os membros inferiores.

Fonte: Nayara Felizardo