Em Teresina, 29% das infrações registradas são por falta do uso de capacete

Devido à facilidade para a compra deste tipo de veículo somado ao baixo poder aquisitivo da população, o Piauí registra 282.877 mil motos a mais que carros.

A falta do uso de equipamentos de segurança por parte dos motociclistas ainda é uma das infrações mais cometidas no trânsito em Teresina. De acordo com dados da Companhia Independente de Policiamento de Trânsito (CIPTran), referentes ao mês de fevereiro, 846 infrações registradas, onde 248 referentes à condução de motocicleta sem utilização de capacete, o que corresponde a um total de 29,31%.

Esse número de infrações ainda é considerado alto e o Departamento Estadual de Trânsito do Piauí (Detran-PI), através da Escola de Trânsito do Piauí e em parceria com os órgãos ligados ao Sistema Nacional de Trânsito, vem intensificando as campanhas educativas e de fiscalização em toda a capital. A imprudência e falta de respeito à legislação de trânsito são as maiores causas dos acidentes.

O alto índice de acidentes que têm como vítimas motociclistas, também, é sentido no Hospital de Urgência de Teresina (HUT). De acordo com informações prestadas pelo hospital, apenas em janeiro foram contabilizados 948 atendimentos a esse tipo de condutor, o que significa que em média, 30 pessoas são acidentadas a cada dia.

Devido à facilidade para a compra deste tipo de veículo somado ao baixo poder aquisitivo da população, o Piauí registra 282.877 mil motos a mais que carros. Atualmente, o Estado tem registrado 454.401 motocicletas e 282.476 carros, segundo levantamento do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran).

Outras Infrações

Conduzir veículo sem possuir Carteira Nacional de Habilitação (CNH) encontra-se em segundo lugar no ranking das infrações mais cometidas no mês de fevereiro. Foram contabilizados pela Ciptran 193 registros deste tipo de infração, que é considerada de natureza gravíssima. Já, a terceira mais cometida, com 131 registros, está ligada ao ato de dirigir veículo sem registro ou sem o devido licenciamento.

Fonte: Ascom