Em três dias, número de mortes no Rio supera o de tragédia em SC

Assim como no Rio, a maioria das vítimas em Santa Catarina morreu em deslizamentos de encostas

O número de mortes em consequência das chuvas no Estado do Rio nesta semana já supera o total de vítimas de outra grande tragédia recente no Brasil, também provocada pela chuva. No Rio, desde a segunda-feira (5) até a noite desta quarta, foram confirmadas 138 mortes. Os temporais que atingiram Santa Catarina no final de 2008 provocaram a morte de 135 pessoas.

Ao todo, 85 cidades catarinenses decretaram situação de emergência na época, e outras 14 decretaram estado de calamidade pública. De acordo com a Defesa Civil, as cidades com maior número de pessoas que tiveram que deixar suas casas eram da região do Vale do Itajaí, dos municípios de Blumenau, Ilhota, Gaspar e Itajaí.

Assim como no Rio, a maioria das vítimas em Santa Catarina morreu em deslizamentos de encostas. A chuva atingiu a região durante vários dias, deixando o solo encharcado e provocando centenas de deslizamentos até meses depois do período mais chuvoso.

As 135 mortes, porém, foram confirmadas mais de um mês após o Estado começar a receber as chuvas intensas. No caso do Rio, o total de óbitos foi atingido em apenas três dias.

Um ano após a tragédia em Santa Catarina, as obras de reconstrução já haviam consumido R$ 360 milhões, eram contestadas por especialistas e investigadas pelo Ministério Público Federal.

Rio

Do total de mortes no Rio, 72 ocorreram em Niterói, 46 na cidade do Rio, 16 em São Gonçalo, uma em Nilópolis, uma em Engenheiro Paulo de Frontin (região de Paracambi), uma em Petrópolis e uma em Magé, segundo balanço do Corpo de Bombeiros. Em todo o Estado, mais de cem pessoas ficaram feridas. O número de pessoas desaparecidas ainda é impreciso, de acordo com os bombeiros.

Em reunião nesta quarta-feira com o ministro da Integração Nacional, João Santana, o governador do Estado e o prefeito do Rio pediram ao governo federal um total de R$ 370 milhões para recuperar prejuízos causados pelo temporal.

O governador Sérgio Cabral (PMDB) decretou ontem luto de três dias no Estado pelas vítimas dos temporais. As chuvas registradas geraram em 24 horas um acúmulo de 288 milímetros na cidade do Rio, superando o recorde histórico de 1966, que era de 245 mm (cada milímetro equivale a um litro de água por metro quadrado), informou ontem a prefeitura.

Fonte: Folha Online, www.folha.com.br