Empresa Noar cancela voos após acidente com avião que matou 16 pessoas em Recife

Empresa Noar cancela voos após acidente com avião que matou 16 pessoas em Recife

A aeronave caiu menos de um minuto depois de sair da pista, deixando 16 pessoas mortas.

A Noar Linhas Aéreas, empresa do bimotor L-410, que caiu em um terreno baldio nas proximidades do II Comar (Segundo Comando Aéreo Regional), na divisa de Recife (PE) com Jaboatão dos Guararapes, na manhã desta quarta-feira (13), cancelou seus voos nesta quarta e nesta quinta-feira (14). A empresa costumava realizar quatro voos por dia.

Segundo a assessoria de imprensa da empresa, os cancelamentos foram realizados para que a Noar reorganize sua malha de voos, uma vez que a empresa só possuía duas aeronaves antes do acidente. Outro motivo alegado é para que o avião que não se envolveu no acidente fique disponível para os órgãos oficiais caso eles precisem realizar vistorias.

De acordo com a Infraero, a aeronave deixou o Aeroporto Internacional dos Guararapes às 6h51 com destino a Mossoró (RN) e caiu menos de um minuto depois, deixando 16 pessoas mortas.

Indenizações

As negociações sobre os valores de indenizações às famílias das vítimas vão acontecer somente após a conclusão da perícia técnica, feita pela Aeronáutica, e do DNA das 16 pessoas mortas. A informação foi dada por diretores da companhia Noar.

Em coletiva na noite de quarta-feira (13), na capital pernambucana, o diretor de assuntos corporativos, Giovanne Farias, afirmou que ?toda assistência será fornecida às famílias das vítimas?.

Além dele, o presidente, Djalma Cintra Junior, também estava no encontro. Emocionado, ele disse que toda a companhia ?estava em luto? pelo acidente, que ocorreu após a explosão do avião bimotor, na manhã de quarta.

De acordo com o diretor, a aeronave tinha um ano e passou por manutenção no último fim de semana. Para saber o que aconteceu com o avião bimotor, a empresa irá aguardar o resultado da perícia realizada pelo Cenipa (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aéreos).

Os parentes das 16 vítimas que morreram após um avião bimotor explodir em Recife (PE) forneceram DNA para facilitar a identificação dos tripulantes.













Fonte: R7, www.r7.com