Empresário que matou manifestante não será punido

Empresário que matou manifestante não será punido

A afirmação é da estudante de enfermagem Nicole Rogéria Fróes da Silva, 19, que sofreu fraturas numa perna

O empresário que atropelou e matou um jovem na última quinta-feira (20) durante protesto em Ribeirão Preto (313 km de São Paulo) vai se livrar da prisão porque o Brasil é o país da impunidade.

A afirmação é da estudante de enfermagem Nicole Rogéria Fróes da Silva, 19, que sofreu fraturas numa perna e na bacia ao ser atingida pelo SUV Land Rover de Alexsandro Ishisato de Azevedo, 37, que está foragido e teve a prisão decretada pela Justiça na sexta-feira (21). Além dela, pelo menos outras dez pessoas ficaram feridas, mas com menor gravidade.

Ela afirma que o empresário saiu de um supermercado nas imediações e tentou furar o bloqueio dos manifestantes, que estavam na avenida Fiúsa, na região nobre da cidade.

"Algumas pessoas pediram com educação para ele desistir. Ele tinha toda a passagem atrás dele livre, mas quis passar ali de qualquer jeito. Alguém então deu um soco no capô do carro. Aí gritamos "sem violência, sem vandalismo". O carro se afastou, mas depois veio com tudo", disse Nicole.

A estudante afirma que estava próxima ao canteiro central da avenida quanto foi atingida. "O carro passou sobre as minhas pernas. Nunca pensei que fosse sentir uma dor tão grande."

O jovem que morreu, Marcos Delefrate, 18, estava atrás da estudante e foi atingido depois dela. Nicole não o conhecia e soube da morte quando estava sendo atendida por estudantes de medicina presentes na passeata. "As pessoas gritavam e choravam. Foi tudo muito rápido e apavorante".

Fonte: UOL