Equipamentos de veículo que caiu da Ponte ajudam a explicar milagre; veja

Airbag evitou impactos na cabeça e tórax, e cinto manteve motorista lúcida até cair na água

Milagres acontecem, mas, no caso de Marina Pinto Borges ? que caiu com o carro da Ponte Rio-Niterói na segunda-feira ? qualquer ajuda suprema teve a colaboração de uma dupla eficaz: cinto de segurança e airbag. Só os dois dispositivos explicam como a motorista saiu com poucas lesões de seu Renault Sandero após capotar sete vezes e despencar de uma altura de 50 metros na Baía de Guanabara.

Os airbags frontais são acionados em milésimos de segundo após sensores detectarem uma desaceleração brusca do veículo ? como numa colisão forte de frente. Momentaneamente infladas, as bolsas de ar amortecem o corpo do condutor e do passageiro da frente, evitando impactos da cabeça e do tórax contra o volante, o painel e o para-brisa. Logo após elas se esvaziam. Ou seja, o airbag só protegeu Marina no impacto inicial.

A partir de então, foi o cinto de segurança que, literalmente, segurou a motorista e a manteve viva. Sem o cinto, Marina teria ricocheteado dentro do Sandero durante as sete capotagens e a queda, ou poderia ter sido atirada para fora do automóvel. Protegida pelo cinto, ela não bateu a cabeça e se manteve lúcida quando o carro caiu na água. Graças a isso, pôde desatar a fivela e sair do automóvel antes que este afundasse.

No entanto, em 2012 o Sandero não se saiu bem em um teste de impacto feito pelo Latin NCAP (órgão independente que avalia a segurança dos carros na América Latina). O teste apontou deformações indesejadas e ?desempenho instável da carroceria?. Das cinco estrelas possíveis, o carro só ganhou uma. O exemplar testado, porém, não tinha airbags, então opcionais.


Equipamentos de veículo que caiu da Ponte ajudam a explicar milagre

Fonte: OGlobo