"Eletrobras invadiu minha casa", diz mãe de Hernesto

"Eletrobras invadiu minha casa", diz mãe de Hernesto

Alegando que iria realizar um procedimento padrão, uma equipe da Eletrobras teria invadido, nesta sexta-feira, a casa da família do garoto Hernesto

Alegando que iria realizar um procedimento padrão, uma equipe da Eletrobras teria invadido, nesta sexta-feira (03), a casa da família do garoto Hernesto Emanoel Morais que morreu nesta semana após ter sido eletrocutado por um fio de alta tensão que caiu na Zona Norte de Teresina. A família do garoto falou que a equipe tentou intimidar a todos.

?O portão estava um pouco aberto e eles entrar de uma vez. Todos os vizinhos que estavam dentro de casa viram e aí entraram de casa a dentro e estavam quase na casa toda chamando pelo meu nome?, declara a mãe do garoto Hernesto.



A equipe da Eletrobras estava composta por uma assistente social e técnicos de segurança do trabalho. De acordo com o técnico Edilton Mourão, esse é um procedimento padrão. ?Como é que nós vamos obter informações e combater um acidente? Só sabendo pela televisão não é. Quando vocês da imprensa vão pegam as informações no calor do acontecimento. A gente não, vamos depois para conversar e saber detalhe por detalhe. O interessa da empresa quando ela manda a gente é que a gente detalhe conforme as pessoas disserem que foi. Ninguém vai dizer que você estava mentindo. Nós somos muito profissionais?, justifica o técnico.



A assistente social da Eletrobras rebate a acusação de intimidação. ?Mas porque iríamos fazer isso? Seria até um crime contra a pessoa humana, eu sou mãe e me sinto do lado dela essa dor. É uma dor que eu não queria, ninguém merece. Foi uma fatalidade, aconteceu com uma criança que virou um mártir. Uma criança sem culpa nenhuma?, argumenta a profissional.

Por se sentir pressionada, a família registrou um boletim de ocorrência contra os técnicos da Eletrobras, no 7º Distrito Policial. Ao chegar no local, o clima foi tenso, os técnicos também registraram queixa por alegarem ter sido agredidos pelo advogado da família. ?Nós fomos agredidos pelo advogado e com certeza eu vou na OAB por ele ter tido uma conduta antiética?, pontua a assistente social.

Fonte: Marcilany Rodrigues