Helicóptero com jovem que degolou 7 passa por perícia após queda

Helicóptero com jovem que degolou 7 passa por perícia após queda

Segundo policiais da delegacia de Piranhas, apenas o corpo do delegado Vinícius Batista da Silva foi identificado e resgatado.

Uma equipe do Seripa 6 (Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos) realiza na manhã desta quarta-feira a perícia no helicóptero da equipe da Polícia Civil que caiu na tarde de ontem na região de Piranhas (GO). Oito pessoas morreram.

Segundo policiais da delegacia de Piranhas, apenas o corpo do delegado Vinícius Batista da Silva foi identificado e resgatado, pois já estava fora da aeronave após o acidente. Os demais corpos ainda estavam dentro do helicóptero e serão resgatados apenas após a perícia ser concluída.

Entre as vítimas estão mais dois delegado, dois peritos, o piloto e o copiloto, além de Aparecido Souza Alves, 23, suspeito de matar sete pessoas degoladas em uma fazenda de Doverlândia (GO). A queda da aeronave aconteceu quando a equipe retornava a Goiânia depois de uma reconstituição da chacina.

Alves confessou ter degolado o dono de uma fazenda e outras seis pessoas. Outras três pessoas estão presas sob suspeita de cometer o crime junto com Alves.

Sete pessoas foram mortas e degoladas no último dia 28 em uma fazenda no sul de Goiás. O crime aconteceu por volta das 17h no município de Doverlândia (a 403 km de Goiânia).

Além do fazendeiro Lázaro de Oliveira Costa, foram mortos seu filho, Leopoldo Rocha Costa, e o vaqueiro Eli Francisco da Silva, funcionário da fazenda.

As outras quatro vítimas --Miracy e Joaquim Manoel Carneiro, o filho do casal, Adriano, e a namorada dele, Tames Mendes da Silva-- eram amigos do fazendeiro e foram ao local para fazer uma visita.

Todos os corpos foram encontrados com cortes no pescoço que, segundo a polícia, chegavam quase à coluna das vítimas.

Na segunda-feira (30), a polícia prendeu Aparecido Souza Alves em flagrante. Ele tinha o tênis sujo de sangue e, com ele, foram encontrados um celular e uma carabina que pertenciam às vítimas.

Fonte: Folha Online, www.folha.com.br