Equipes acham 7º corpo em escombros de prédios no Rio, mas 20 estão desaparecidos

Equipes acham 7º corpo em escombros de prédios no Rio, mas 20 estão desaparecidos

Não foram informados detalhes sobre a última vítima localizada.

Subiu para sete o número de mortos no desabamento de três prédios, na última quarta-feira (25), no centro do Rio de Janeiro. O sétimo corpo foi localizado pelos bombeiros por volta das 8h30 de hoje. O número de desaparecidos passa de 20 pessoas, de acordo com o último balanço divulgado pela prefeitura.

Não foram informados detalhes sobre a última vítima localizada. Os outros mortos foram três mulheres e três de homens. Entre eles estão o zelador Cornélio Ribeiro Lopes, 73; sua mulher, Margarida Vieira de Carvalho, 73; Celso Renato Braga Cabral, 44; e o catador de papelão Moisés Moraes da Silva (idade não revelada).

As buscas na região continuam com homens da prefeitura, Corpo de Bombeiros e da Defesa Civil.

Dentre eles, profissionais que atuaram no terremoto de 2010 no Haiti, nas chuvas na região serrana do Rio e no desabamento do Morro do Bumba, em Niterói. Também são usados sensores de calor e cães farejadores.

DESABAMENTO

Os três prédios localizados ao lado do Theatro Municipal desabaram por volta das 20h30. O teatro não foi atingido, mas seu anexo, onde funciona a bilheteria, sofreu danos por causa dos escombros.

Devido ao trabalhos no local do desabamento, a avenida Treze de Maio (onde ocorreu os desabamento) permanece interditada. A avenida Almirante Barroso também foi bloqueada entre a rua Senador Dantas e a avenida Rio Branco. Já Senador Dantas funciona com mão invertida entre a Almirante Barroso e a rua Evaristo da Veiga.

O prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB), afirmou ontem (26) que os indícios apontam que é improvável que o desabamento dos três prédios tenham sido causado por uma explosão. A principal hipótese até o momento aponta para problema na estrutura de um dos prédios.

"Provavelmente, houve uma falha estrutural do prédio maior --de 18 andares-- que levou ao desabamento dos outros dois prédios menores --de dez e quatro andares", afirmou o prefeito. Ele acrescentou ainda que a resposta definitiva sobre as causas do desabamento será dada pela perícia.

Segundo o Crea (Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura) do Rio, não havia qualquer registro da obra que estava sendo realizada em dois andares de um dos prédios que desabou. De acordo com relatos de testemunhas, havia obras nos 3º e 9º andares do prédio.

A prefeitura informou que os três prédios estavam em situação regular e possuíam Habite-se --documento emitido pelo município.

Os prédios da região foram interditados. De acordo com os bombeiros, eles não foram comprometidos, mas foram evacuados por precaução. O prédio do Liceu Literário Português é um dos que foram esvaziados.































Fonte: Folha Online, www.folha.com.br