Esclarecimento: HGV nega ter deixado corpo de paciente em meio a materiais de construção

A direção ressalta, ainda, que as imagens veiculadas na imprensa local não comprovam tal "denúncia"

Com relação à matéria ?Em reforma, Necrotério do HGV deixa morta no meio de material de construção civil por mais de 3 horas ?, publicada nesta quarta-feria (14) no Blog do jornalista Efrém Ribeiro, no Portal Meionorte.com, a direção do Hospital Getúlio Vargas esclarece que em nenhum momento o corpo da paciente Célia Marlene Ribeiro do Lago foi colocado ?em meio a restos de materiais de construção? ou ?lixo?, nem tampouco em local onde os funcionários trabalham na reforma do HGV. A direção ressalta, ainda, que as imagens veiculadas na imprensa local não comprovam tal ?denúncia?.

A referida paciente estava internada na UTI do Hospital Getúlio Vargas desde o dia 16 de dezembro de 2008, vítima de uma queda que afetou sua coluna. A paciente veio a óbito às 5h da manhã desta quarta-feira, 14, após sofrer uma parada cardiorrespiratória irreversível. O corpo da paciente foi levado para uma sala da área de necrotério enquanto aguardava a chegada do carro do Instituto Médico Legal para transportá-lo ao IML, onde são realizados os exames cabíveis em caso de morte não natural.

As obras do necrotério deverão ser concluídas até o final de janeiro. Tudo está sendo feito para garantir a segurança e a dignidade dos pacientes enquanto são realizadas as obras que são necessárias para prestar um atendimento com melhor qualidade à população.

Teresina, 14 de janeiro de 2009.

Fonte: CCOM, www.pi.gov.br