Escolas adotam metodologia diferenciada

16 escolas estão espalhadas pelo Estado

Uma ideia desenvolvida no interior do Piauí começa a ganhar força. Com 16 unidades espalhadas pelo Piauí, as Escolas Família Agrícola oferecem uma formação em regime de alternância entre a teoria e a prática. As escolas são mantidas por parcerias entre a sociedade e o poder público que garante a manutenção dos recursos para as Escolas Família Agrícola.

O coordenador executivo da Associação de Escolas Família Agrícola do Piauí (AEFAPI), João Emílio Lemos Pinheiro explica que as parcerias para a manutenção das escolas são feitas com a Secretaria Estadual de Educação (Seduc) e com prefeituras. ?Ao todo são 16 escolas, todas com parceria com a Seduc e algumas com parcerias com as prefeituras porque abrange vários municípios e territórios de desenvolvimento do Estado?, explica João Emílio Pinheiro

As escolas acabam abrangendo até mesmo vários municípios já que localizam-se em povoados nos territórios de desenvolvimento. ?Para o andamento do projeto há uma gestão compartilhada com a associação de pais e uma fundação mantenedora que acompanha e ajuda na gestão. O princípio do projeto é que os pais sejam os gestores?, pontua o coordenador executivo da AEFAPI. O projeto abrange atualmente 1750 alunos nas 16 escolas espalhadas pelo Piauí.

?Os alunos estudam através da pedagogia da alternância colocando o estudante em contato com a prática e a teoria?, explica João Emílio Pinheiro. A pedagogia da alternância funciona com o estudante passando 15 dias na escola e outros 15 na comunidade onde desenvolvem as técnicas que aprende na escola. A Escola Família Agrícola tem influência além da sala de aula, segundo João Emílio Pinheiro. ?O ambiente em que a família vai interagindo leva a escola para além da escolarização, com a economia local, a agricultura, o trabalho e renda?, pontua.

Foram investidos através da Seduc cerca de R$ 2,6 milhões/ano, para garantir o pagamento de 150 professores do Ensino Médio. ?O projeto existe desde 1986 e prevalece na região de Oeiras, território Entre Rios, Vale do Canindé, Cocais, Serra da Capivara, Chapada das Mangabeiras e Vale do Sambito?, comenta sobre o projeto que abrange os municípios de São João do Arraial, São Lourenço, Cristino Castro, Elizeu Martins, Pedro II, São Pedro do Piauí, Aroazes, São João da Varjota, Cajazeiras do Piauí, Oeiras, Colônia do Piauí e Santo Inácio do Piauí. Em Teresina o projeto abrange os povoados Soinho e Baixão do Carlos. (C.R.)

Fonte: Carlos Rocha, Jornal Meio Norte