Brasileiro de 17 anos é aprovado com nota "máxima" para Harvard

Brasileiro de 17 anos é aprovado com nota "máxima" para Harvard

O jovem que nasceu em Taubaté, mas desde pequeno mora em São José dos Campos, afirma que não sabe ao certo qual curso vai seguir

Aprovado nos vestibulares mais concorridos dos Brasil como o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), Instituto Militar de Engenharia (IME) e Universidade de São Paulo (USP), o estudante Gustavo Haddad Braga, de 17 anos, morador de São José dos Campos, em São Paulo, que também coleciona medalhas de olimpíadas estudantis nacionais e internacionais conquistou o título mais importante da carreira de aluno exemplar: foi aceito na Universidade de Harvard, nos Estados Unidos.

A vaga foi conquistada porque Haddad praticamente gabaritou nos dois exames chamados de Scholastic Assessment Test (SAT, Teste de Avaliação Escolar), uma espécie de "Enem americano" que seleciona os estudantes para as universidades. Na primeira prova, que traz questões de raciocínio lógico, consideradas mais difíceis, ele tirou 2.400, a pontuação máxima. Na segunda, onde caem questões específicas do núcleo comum do ensino médio ou de língua estrangeira, o estudante tirou 2.350 pontos. Ambas as avaliações exigem nível avançado de inglês.

Haddad também está na disputa por vagas no Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), Yale, Princeton, Stanford e Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech) cujo resultados ainda não foram divulgados. Mas pelo desempenho do estudante nas duas edições do SAT é bem provável que as instituições também o aceitem, já que é através deste exame que eles selecionam os alunos.

Se isso acontecer, Haddad terá dúvidas de onde fará a matrícula. A princípio sonhava em estudar no MIT, mas depois avaliou que Harvard é forte na área de ciências, carreira que pretende seguir. "Na metade de abril as universidades abrem o período de visitação para os aprovados, aí vai dar para ter uma ideia melhor. Eu pretendo decidir após as visitas", diz. A matrícula tem de ser feita em 1º de maio.

O processo de bolsa de estudos corre paralelo ao da aprovação e é definido a partir das condições socioeconômicas da família do estudante. Haddad diz que os custos anuais para se manter em Harvard é de cerca de 60 mil dólares (o equivalente a quase 104 mil reais), mas a maioria dos estrangeiros recebe bolsa que inclui alojamento.

O jovem que nasceu em Taubaté, mas desde pequeno mora em São José dos Campos, afirma que não sabe ao certo qual curso vai seguir. "Gosto muito de física e da área de biológicas, talvez junte estas duas áreas." Segundo ele, nas universidades americanas é permitido escolher a área em até três semestres de aula e o curso, até o fim do segundo ano.


Estudante paulista de 17 anos é aprovado na Universidade de Harvard

História com os números

Filho de engenheiros químicos, a ciência e os números sempre fizeram parte da vida de Haddad. A história com as olimpíadas começou aos 10 anos e em oito anos de carreira ele arrebatou mais de 40 premiações dentro e fora do Brasil. Em 2008, conquistou ouro na Coreia do Sul; em 2009 prata no Azerbaijão; em 2010 foi bronze na China e na Croácia, e no passado levou bronze na Polônia e ouro na Tailândia. Fora as medalhas das competições nacionais.

"Comecei a participar quando estava na sexta série, incentivado por uma professora e logo peguei primeiro lugar na Olimpíada de Matemática. As provas envolvem criatividade e é um desafio usar as ferramentas do ensino médio para resolver as questões", diz o jovem. Haddad afirma que a vontade de fazer faculdade nos Estados Unidos começou nesse universo das olimpíadas, já que o contato com estudantes estrangeiros é muito próximo.

Para o campeão, os bons resultados nos vestibulares e a aprovação em Harvard só foram possíveis graças a esse treinamento, já que os problemas cobrados nas olimpíadas são muito mais complexos e difíceis do que os dos vestibulares. Ele concluiu o ensino médio no ano passado, no Colégio Objetivo de São José dos Campos. "As olimpíadas sempre ajudaram demais. Tinha muitas aulas de preparação, algumas quase particulares. Para quem estuda para essas competições, o vestibular fica até fácil porque desenvolve muito raciocínio."

Futebol e balada

Haddad não se considera um garoto diferente dos demais da sua idade. Ele conta que participa de competições de natação, joga futebol e frequenta baladas e cinema como todos os adolescentes. "Minha vida é normal, só com um pouco mais de estudo." O jovem diz que costumava ficar tranquilo na hora das provas, o que contribuía para o resultado positivo. Além disso, diminuía o ritmo dos estudos à medida que as datas se aproximavam - contrariando a tática de muitos vestibulandos.

Agora o desafio do estudante é driblar a ansiedade de ter de ser mudar do Brasil, deixar o pais e o irmão de 13 anos e morar sozinho pela primeira vez. "Uma hora ia ter de me afastar da minha família. Meus pais estão preocupados, mas ao mesmo tempo felizes. Já pulamos muito e fizemos vários almoços para comemorar."

Fonte: G1