Estudantes da UFPI podem ter carteiras bloqueadas

O prazo para renovação da carteira estudantil está chegando ao fim, mas até o momento os alunos não conseguiram o documento

Os estudantes da Universidade Federal do Piauí (UFPI), em pleno mês de março, ainda não conseguiram expedir a carteira estudantil de 2013.

A carteira do ano passado está com os dias contados, visto que a validade do documento é até o final deste mês, o que deixa os acadêmicos preocupados.

Deborah Cavalcante, coordenadora de planejamento, do Diretório Central dos Estudantes (DCE), afirma que os formulários ainda não foram entregues devido à falta de recadastramento da UFPI perante ao Sindicato das Empresas de Transporte Urbano de Teresina (SETUT).

?Para emitir a confecção das carteiras é preciso um código de barras do SETUT e ele só é emitido quando a universidade faz o cadastro, que contém a lista dos estudantes matriculados?, explica a coordenadora ao ressaltar que esse recadastramento dever ser feito de seis em seis meses.

Há duas semanas o DCE se reuniu com a reitoria e pediu que a situação fosse regularizada. Além disso, é preciso que a UFPI delegue ao DCE a responsabilidade da emissão das carteiras, seguindo uma lei sancionada no ano passado. ?Já temos a gráfica, já aprovamos o valor junto aos Centros Acadêmicos e já temos o sistema on-line.

Precisamos só que a universidade faça essa atualização para podermos entregar os formulários?, explica Deborah Cavalcante.

A carteirinha atual tem validade até o final deste mês, pois esta foi expedida com o mesmo prazo de vencimento das tiradas pela União Nacional dos Estudantes (UNE), no entanto, o DCE formalizará um pedido de prorrogação da validade da carteira até o junho.

O DCE aguarda até o dia 31 de março a confirmação do SETUT sobre a prorrogação do prazo e participará esta semana de uma reunião junto a reitoria da UFPI. O valor da carteirinha será de 11 reais e os universitários retiraram os formulários no Centro Acadêmico (CA) de seu curso.

A estudante de Jornalismo, Joelliny Braga comenta que isso tem causado transtornos. Ela coloca que sempre procura o DCE e indaga sobre a previsão da distribuição do formulário deste ano, mas nunca recebeu uma resposta certa. ?Pego cinco ônibus por dia, porque moro no Vale do Gavião, trabalho pela manhã e estudo nos períodos tarde e noite. E imagino como vai ser se o SETUT não ampliar esse prazo de validade. Meu orçamento com certeza vai estourar?, lamenta a graduanda.

Fonte: Aline Damasceno e Virgínia Santos