Estudantes reclamam de mau cheiro em via dentro da UFPI

O local é uma das entradas mais utilizadas pelos alunos da instituição, mas tem se transformado em um lixão a céu aberto

Diferentemente da entrada principal da Universidade Federal do Piauí, Campus Ministro Petrônio Portella, o acesso que se dá através da Avenida Raul Lopes encontra-se em uma conjuntura precarizada em relação à higiene.

O local, que é uma das entradas mais utilizadas para quem busca se dirigir ao Setor de Esportes, transformou-se em um verdadeiro depósito de lixo. Os estudantes que por ali trafegam reclamam da situação, já que os resíduos costumam gera um intenso mau cheiro.

A concentração de lixo, mesmo com aproximadamente 200 metros de distância da entrada da área em que está instalado o curso de Educação Física da UFPI causa incômodo nos acadêmicos.

De acordo a estudante Alline Santana, essa situação desagradável já persiste há muitos anos. ?Esse problema já existe desde quando eu entrei aqui na Universidade, há uns 4 anos. Já estou me formou e isso não é resolvido?, aponta.

Segundo outros universitários, a gravidade é ainda maior porque diariamente eles precisam passam a pé pelo local, pois a quantidade de ônibus destinada para o setor é escassa. A estudante Nathalia Leal é um dos exemplos, e explica que animais mortos, móveis e inúmeros objetos, principalmente lixo domiciliar, são despejados ali.

?Tenho que caminhar todos os dias por esse mau cheiro, porque o ônibus que eu pego não circula por aqui, e eu ainda tenho que andar do lado que o lixo geralmente fica porque é o lado da sombra quando eu venho.

Então eu acho que ninguém liga para isso porque não existem moradias perto?, conta.Além disso, os funcionários das lanchonetes que ficam situadas dentro do Setor de Esportes também dizem sentirem incômodo devido a esse problema.

A Prefeitura Universitária nos informou que já foram enviadas várias solicitações para Superintendência de Desenvolvimento Urbano da região (SDU/Leste), órgão que é responsável pela manutenção do local, afirmando que semanalmente a limpeza no local é feita, mas que carroceiros insistem em jogar lixo.

Sobre isso, o gerente de Serviços Urbanos da SDU/Leste, Marcos Almeida, esclarece que várias vezes na semana uma equipe é designada para fazer a limpeza da área, e ratifica que os carroceiros são os maiores responsáveis pela existência desse problema.

?A cada três dias aquele lugar é limpo. Tem fiscalização para coibir a ação desses carroceiros, mas mesmo assim eles acabam despejando lixo. Ainda não aplicamos multa, mas já estamos analisando essa possibilidade?, destaca ele, acrescentando ainda que essa problemática já dura mais de 10 anos.

Fonte: Wherika Carvalho