Estudo do projeto Manhattan afirma que Big Bang nunca aconteceu

Há 13,8 bilhões de anos, toda a matéria existente esteve concentrada em um ponto ínfimo, chamado singularidade. Lá, as leis da física que conhecemos hoje não se aplicavam. De repente, a singularidade

Há 13,8 bilhões de anos, toda a matéria existente esteve concentrada em um ponto ínfimo, chamado singularidade. Lá, as leis da física que conhecemos hoje não se aplicavam. De repente, a singularidade explodiu: bang! Um bang grandão, o maior de todos. Da mesma matéria na singularidade vieram as galáxias, o sol, você, seu cachorro e a tela em que lê isso agora.

Esse é o modelo mais aceito para a origem de tudo, e tem sido assim desde 1931, quando o físico e padre Georges Lemaître propôs que, se o universo estava se expandindo, quer dizer que um dia esteve todo no mesmo lugar.

Talvez tenhamos nos enganado por oito décadas. Dois físicos teóricos, o egípcio Ahmed Farag Ali e o indiano Saurya Das, publicaram um estudo no qual afirmam que o universo é eterno. Nunca houve nem singularidade nem Big Bang. O trabalho também pode resolver o mistério da matéria escura, que supostamente compõe 99% da massa no universo, mas ninguém nunca viu nem provou existir. Para eles, é só outro furo na teoria tradicional.

O estudo foi baseado no trabalho do físico David Bohm, que participou do projeto Manhattan, a construção da primeira bomba atômica. Usou tanto informações da física quântica quanto teoria da relatividade – e um dos maiores desafios da ciência é unificar as duas, criando uma nova Física.

Seria preciso estar no quarto ano de Física (chutando) para entender a lógica por trás do estudo. Mas é bem possível que estejamos diante de uma das maiores descobertas em décadas. Ali e Das acreditam que, mesmo que um dos santos graals da física, a natureza da gravidade, seja esclarecida nos próximos anos, isso não deve influenciar sua teoria.

Pois é, parece que Big Bang Theory acaba de ficar datado. Só para garantir, é melhor parar de dizer “bazinga” até ver como a comunidade científica vai receber o trabalho da dupla.

Fonte: Brasil Post