Europa enfrenta o terceiro dia de caos aéreo

Principais países europeus mantêm espaço aéreo fechado.

Boa parte da Europa estendeu até a noite deste sábado (17) as restrições do espaço aéreo, bloqueando o tráfego internacional de aviões pelo terceiro dia consecutivo, por causa da gigantesca nuvem de cinzas expelidas por um vulcão islandês.

O caos aéreo afeta milhares de pessoas em todo o mundo e não há ainda estimativa para a retomada dos voos nas regiões atingidas, pois, de acordo com autoridades locais, as previsões indicam que a nuvem não está se dissipando.

As cinzas, uma mistura de partículas de vidro, areia e rocha, derivam a cerca de 1.500 m, e, segundo especialistas, podem danificar os motores das aeronaves. A Eurocontrol, que coordena o controle do tráfego aéreo em 38 países, informou que o fenômeno na atmosfera se movia a leste e sudeste.

Segundo a gência Europeia para a Segurança na Navegação Aérea (Eurocontrol), um total de 16 mil voos foram cancelados neste sábado na Europa como consequência da nuvem de cinzas. A agência informou, em comunicado, que, em condições normais, 22 mil voos seriam operados neste sábado na Europa, dos quais somente 6 mil devem acontecer.

A Eurocontrol informou que estão proibidos os pousos e decolagens de aviões civis "na maior parte do norte e do centro da Europa".

Os países e zonas afetadas são, segundo a agência, Áustria, Bélgica, Croácia, República Tcheca, Dinamarca, Estônia, Finlândia, norte da França, grande parte Alemanha, Hungria, Irlanda, norte da Itália, Holanda, sul da Noruega, Polônia, Romênia, Eslováquia, Eslovênia, Suécia, Suíça e o Reino Unido.

Em algumas destas áreas foi habilitado o "espaço aéreo superior, dependendo da previsão do tempo e da área contaminada pelas cinzas", segundo a nota. No entanto, "é difícil ter acesso a esse espaço aéreo já que, na maioria dos casos, as áreas que o cercam não estão disponíveis para os aviões".

A Eurocontrol ressaltou que o tráfego aéreo permanece aberto no sul da Europa, incluindo Espanha, sul dos Bálcãs, sul da Itália, Bulgária, Grécia e Turquia, onde os voos operam com normalidade.

Aeroporto de HeathrowPassageiro dorme no aeroporto de Heathrow, na Inglaterra (Foto: AP)

As previsões indicam que a nuvem de cinza vulcânica continuará nos céus europeus e que seguirá tendo impacto na atividade dos aeroportos por, pelo menos, mais 24 horas.

O controle de tráfego aéreo da Grã-Bretanha (Air Traffic Service) informou que permanecerá fechado pelo menos até meia-noite (21h no Brasil) seu espaço aéreo. Mesma medida foi adotada na Bélgica, França, Alemanha e nos Países Baixos. O aeroportos de Kiev, na Ucrânia, também anunciaram que estarão fechados.

Poucos voos estão sendo direcionados para Hungria e Romênia.

Prejuízos

As companhias aéreas estimam perdas de US$ 200 milhões por dia, com o maior caos aéreo desde a 2ª Guerra Mundial.

A companhia australiana Qantas cancelou todos os voos de sábado para a Europa e já está restituindo os passageiros ou trocando datas de suas viagens.

Cerimônia na Polônia

O fechamento de boa parte do espaço aéreo europeu vai refletir na cerimônia de sepultamento do presidente da Polônia, Lech Kaczynski, e sua mulher, a primeira-dama Maria, na cidade de Cracóvia.

O primeiro-ministro sul-coreano, Chung Un-Chan, foi o primeiro a cancelar viagem à Polônia. Até a manhã deste sábado, os presidentes dos Estados Unidos, Barack Obama; Rússi, Dmitry Medvedev; e a chanceler alemã Angela Merkel ainda estavam na lista de participantes.

Fonte: g1, www.g1.com.br