Exército brasileiro se posiciona contra lei que criminaliza a homofobia

Eles não especificaram, no entanto, qual reflexo seria esse

Em parecer enviado à Câmara dos Deputados, o Exército se posicionou contra a aprovação do projeto de lei que determina a criminalização da homofobia no Brasil. De acordo com o documento, obtido pela Folha de S. Paulo, a proposta, se fosse aprovada, poderia ter "efeitos indesejáveis" e "reflexos negativos" para as Forças Armadas.


"A instituição é contra qualquer tipo de agressão ou violação a direitos humanos (..) no entanto, considerando as imprecisões contidas na proposta apresentada, (..) pode trazer efeitos indesejáveis para a Força'', diz o texto.

Um dos trechos do projeto que mais incomodou foi o que transforma em crime de ódio o ''impedimento de acesso de pessoas a cargo ou emprego público ou sua promoção funcional sem justificativa nos parâmetros legalmente estabelecidos''. Segundo o jornal, para o órgão, isso teria ''reflexo nas Forças Armadas, inclusive no que tange aos critérios estabelecidos para ingresso e permanência''. Eles não especificaram, no entanto, qual reflexo seria esse.

Ainda de acordo com a Folha, defensores do projeto - criado em maio de 2014 e de autoria da deputada federal Maria do Rosário (PT-RS) - acreditam que o Exército "teme" que homens e mulheres se declarem homossexuais abertamente nos quartéis. Procurado pela publicação, ele não quis se manifestar sobre o assunto.

Clique aqui e curta o Portal Meio Norte no Facebook

Fonte: UOL