Fábrica de polpa devolve esperança a moradores de comunidades carentes no Piauí

Fábrica de polpa devolve esperança a moradores de comunidades carentes no Piauí

Há onze anos no mercado, a Fruta Polpa vem desenvolvendo um trabalho que inclui não apenas seus funcionários diretos, que são contratados das comunidades próximas

Todo trabalho conjunto exige muita união e anos de entrosamento, a dedicação também é um elemento chave para o sucesso, afinal cada integrante contribui ativamente e ajuda na construção do objetivo maior.

O emprego visto não apenas como uma ocupação qualquer, mas expandido para o social, a inclusão, a oportunidade. Em ambientes nada promissores, surge da batalha diária e modifica a realidade local.

A economia percebida sem a frieza dos números ou o simples detalhar de funções; na vida, o que muitas pessoas esperam é por uma chance, e ao ser dada ela é aproveitada ao máximo, transformando o presente e oferecendo perspectivas no futuro. Assim, nutrindo a ideologia da continuidade, a Fruta Polpa, há 11 anos, destaca-se e faz renascer a esperança em dezenas de trabalhadores.

Sob a proposta inicial de produzir artesanalmente, a empresa surgiu no ano de 2003, tímida e temerosa com os riscos a serem enfrentados. Na época, apenas dez funcionários realizavam todas as etapas, com um número mínimo de produtos gerados. Nas fotografias espalhadas pela sede, as lembranças são perpetuadas, uma forma de recordar cada obstáculo ultrapassado.

A expansão e a sobrevivência no mercado não foi simples, afinal a produção de polpas de fruta ainda não era popular, inserir a obra final nos pontos de venda era um desafio, porém, o manuseio com o novo também oferecia vantagens, sem grandes concorrentes surgia a possibilidade de firmar-se com maior abrangência, subindo degrau por degrau, minimizando os atropelos e planejando detalhadamente os passos.

O esforço imprimido durante esse período valeu a pena, hoje, com 68 empregos diretos e cerca de 400 famílias beneficiadas, a Fruta Polpa é a maior empresa do ramo no Piauí, expandindo seu serviço para outros Estados, como Maranhão e Ceará.

Processo de evolução permitido pela força de trabalho e a paixão que os funcionários nutrem por suas ocupações, através de um ambiente acolhedor e amigável, constituído pelas boas relações entre os diversos setores, além da visão progressista dos proprietários do empreendimento, que já colocam em prática a expansão das ações, no claro intuito de gerar mais vagas. “Já estamos ampliando nossa fábrica”, destaca o gerente administrativo Leonardo Teixeira.

Inovações animadoras também para os pequenos produtores rurais, que fornecem parte da matéria-prima à Fruta Polpa. Negociação que permite geração de renda a esse grupo, no qual em muitas ocasiões sentia-se desamparado e tinha como única saída vender os produtos na beira de estradas.

“Todos os dias sempre tem uma pessoa que bate na nossa porta oferecendo acerola, bacuri, qualquer outra fruta e nós sempre compramos, até como forma de ajudá- los”, conta Teixeira.

Trabalho em família

A relevância dada para a inserção das comunidades próximas à fábrica pode ser reiterada com a preferência pela contratação dos moradores destas áreas. “Existe um trabalho social, a maioria dos funcionários reside nas vilas aqui perto, nós oferecemos emprego e uma vida mais digna pra eles”, afirma o gerente administrativo.

Desse modo, em um espaço constituído por pessoas que compartilham da mesma realidade e enfrentam os mesmos empecilhos, torna-se inevitável considerá-lo como uma extensão do lar, onde a boa convivência e a amizade predominam. “Tudo é maravilhoso, foi meu primeiro emprego e eu nem sequer cogitei sair daqui algum dia”, diz a degustadora Rosa Araújo.

Trabalhando na empresa desde sua abertura, a funcionária mora na Irmã Dulce. “Tem pessoas aqui que moram perto de mim e fora isso já desenvolvi diversas amizades, que levarei para sempre”, limita.

Compartilhando da mesma opinião, Lucilene Ramos está na empresa há oito anos, confessa já ter saído da Fruta Polpa durante um período, contudo a saudade foi tanta que retornou ao seu posto.

“Saí por questões pessoais, mas eu amo o que faço e a empresa é muito séria, oferece diversas oportunidades, é muito bom trabalhar aqui”, aponta a recepcionista.

Essa é a principal preocupação dos proprietários, dar aos empregados a real chance de crescimento profissional, tal fator só é possível através do diálogo e da percepção de talentos. “Comecei como entregador e hoje já faço parte da gerência”, constata Teixeira.

O aprendizado transmitido durante as etapas de produção é outra forma de angariar bons profissionais, a prática acaba revelando os dons de cada um e desvenda as habilidades de modo simples, detalhista, promissor.

Foco está na capacitação dos funcionários 

A mecanização do processo produtivo não pode ser confundida como um mero aparato tecnológico, possibilitado pelo uso de máquinas. A capacitação está ligada à qualidade do serviço e oferecer cursos preparatórios é um viés primordial para a produção de polpas que satisfaçam os desejos dos clientes.

“É bastante positivo, percebe-se como a fábrica é empreendedora, sempre que o quesito é informação e qualidade os donos estão investindo”, elenca a nutricionista Maria das Graças. Desse modo, constantemente existe a procura por instituições que possam ajudar a Fruta Polpa nesse trabalho de aprimoramento técnico, como o Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial).

“Procuramos incentivar a qualificação, de modo que o potencial deles possa ser desabrochado”, inclui o gerente administrativo Leonardo Teixeira. Na relevância conferida à capacitação inserem-se as perspectivas do mercado, que com a expansão econômica e o capitalismo está cada vez mais exigente.

“Sempre temos a preocupação com a qualidade, fora que o mundo globalizado deixou tudo muito igual, parelho”, diz. Abrangendo estas visões, a busca pela excelência pondera as ações da Fruta Polpa. “Há muito cuidado, existe um laboratório de controle de qualidade dentro da fábrica, onde todos os lotes que são produzidos passam pela análise”, compartilha Maria das Graças.

Ao todo, cerca de 10 etapas norteiam a fabricação, sendo que uma das primordiais condiz com a seleção das frutas a serem utilizadas. “Uma boa polpa passa primeiramente pela escolha da matéria-prima, nós só recebemos aquelas que estão no padrão adequado, afinal trabalhamos diretamente com o consumidor e não podemos falhar em nenhum momento”, verifica a nutricionista. Ela ainda insere. “Com frequência fazemos a análise da água e a microbiológica”, converge.

Atualmente, 18 sabores são comercializados pela Fruta Polpa, sendo que sua atuação está difundida em todo o Piauí e já alcança algumas cidades em outros Estados. “Já começaram as obras de expansão da nossa fábrica.

O objetivo é dobrar a produção e consequentemente o número de empregos diretos e também os indiretos”, vislumbra Teixeira. A ação também projeta mais vantagens aos funcionários. “Com certeza vamos conseguir buscar mais benefícios”, completa.

As exigências do consumidor piauiense passeiam pela escolha dos novos produtos a serem adotados no portfólio da marca. Recentemente a campeã de vendas é a polpa de suco verde, que reúne uma série de vitaminas, fibras, minerais e polifenóis.

Nesse trabalho entra novamente a força da qualificação, todas as etapas possuem um tempo correto para acontecerem, desse modo o processo deve ser gradual, assumido por profissionais capazes e funcionais.

A formação de uma grande família

A felicidade estampada no rosto de cada colaborador é reafirmada através do ambiente que se forma durante as horas de dedicação. A inclusão no mercado de trabalho e o investimento em qualificação já credenciam o significado agregador que a empresa busca difundir, contudo, essa simbologia ganha novos ares ao perceber os espaços que circundam o processo de fabricação. Dormitórios, refeitório, banheiros, pontos de integração e lazer.

Tudo está inserido na realidade desses trabalhadores. "Eles podem optar, nos períodos de descanso se quiserem ficar aqui, tem lugar para deitar, podem se alimentar, enfim, há essa possibilidade.

Essa vantagem é dada até mesmo para aqueles que não possuem um quarto para passar a noite, ajudamos da melhor maneira possível", relata o gerente administrativo.

Esse relacionamento fiel só é possível através da confiança, e seguindo o projeto de dinamizar a economia da região e oferecer oportunidade às comunidades carentes, como a Vila Irmã Dulce, a maioria dos funcionários é contratada após indicações.

"Sempre quando surge alguma vaga pedimos sugestões a eles, queremos contribuir, fazer o máximo pelas pessoas que moram perto da nossa sede", conta Teixeira.

As modificações inseridas pela Fruta Polpa na população perpassam a relação empresa e funcionário. Amistosa, passa por uma amizade construída em bases sólidas, onde a atuação de forma sustentável e enriquecedora é o motriz de todos os caminhos tomados. O foco está no desenvolvimento.

A empresa cresce ano a ano, mas não esquece suas raízes e prega no viés social a forma mais eficaz e inteligente de agir como ator principal nas boas iniciativas envolvendo as regiões periféricas. Não é apenas um contrato com cláusulas burocráticas, é o atestado de uma aposta.

Acreditar nos funcionários é um dos segredos do sucesso da Fruta Polpa, e segue a desencadear no empenho crescente e incessante de todos aqueles que tiverem a chance de conquistar o tão sonhado emprego.








Clique aqui e curta o Portal Meio Norte no Facebook

Fonte: Francy Teixeira