Faixa exclusiva para ônibus não é respeitada por condutores

A equipe do Jornal Meio Norte foi conferir a real situação do trânsito

CONFIRA A REPORTAGEM COMPLETA NA EDIÇÃO DESTA QUINTA-FEIRA (02) DO JORNAL MEIO NORTE

Apesar das faixas exclusivas destinadas para o tráfego de transporte coletivo nas principais avenidas da cidade, terem sido aprovadas pela população, segundo pesquisa do Instituto Amostragem, que registrou 83,12% dos entrevistados a favor da medida e apenas 13,88% contra as faixas e outros 3% não souberam dizer ou não quiseram opinar. Hoje, na prática, com o sistema de sinalização de faixas horizontais concluídas, pelo visto essa situação mudou e muitos condutores vêm se mostrando insatisfeitos.

A equipe do Jornal Meio Norte foi conferir a real situação do trânsito, em horário de pico, e constatou que além da insatisfação dos condutores, está a não obediência as faixas exclusivas, tanto por condutores de automóveis e motocicletas, como dos próprios ônibus. Situação frequente, principalmente, no trecho que liga a Avenida Miguel Rosa, a Rua Desembargador Pires de Castro até a Avenida Frei Serafim.

É o que diz o condutor João da Silva, que garante que na região central não há condições de haver faixas exclusivas para ônibus, devido ao grande fluxo de veículos. “Não têm condições de ter essas faixas exclusivas não, numas ruas dessas aqui, muito estreitas e ainda em horário de pico, impossível. Essas faixas acabam sem função”, pontua o condutor que já estava a mais de 30 min tentando atravessar pela Avenida Frei Serafim.

Segundo a assessoria da Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (Strans), a sinalização já foi finalizada e que não há mais estudos de melhorias para o trânsito de Teresina. Destaca ainda que aquele que desrespeitar a sinalização proposta ao trânsito de Teresina será devidamente multado.

Repórter: Márcia Gabriele

Fonte: Márcia Gabriele