Falsa médica revela como "aprendeu" a fazer tratamento de bumbum de acrílico em pacientes

Falsa médica revela como "aprendeu" a fazer tratamento de bumbum de acrílico em pacientes

Bumbum de acrílico: técnica de enfermagem diz que "aprendeu" tratamento com médicos

Suspeita de aplicar acrílico em mulheres, a falsa médica Cecília Tavares declarou em depoimento que ganhou experiência em procedimentos estéticos por ter trabalhado por vários anos com cirurgiões plásticos. A declaração foi dada por Cecília na noite de quinta-feira (5), quando foi questionada sobre o exercício ilegal da medicina.

Segundo o delegado titular da Delegacia de Ricardo de Albuquerque (31ª DP), Jorge Zahra, a suspeita foi denunciada pela advogada Vânia Prisco e mais cinco mulheres por conta de intervenções estéticas malsucedidas. O delegado disse que ela foi indiciada por lesão corporal grave e exercício ilegal da medicina. A polícia descartou o pedido de prisão preventiva.

À polícia, a suspeita assumiu ter feito os procedimentos em cinco ? não em seis ? mulheres. Ela negou ainda a versão de que se apresentava como médica ou como major do Exército e disse que contava ser técnica de enfermagem.

Ao depor, a suspeita disse que o procedimento feito em Vânia deu errado pela falta de cuidado por parte da vítima, que não teria seguido as recomendações e nem a dieta. Segundo Cecília, a aplicação na advogada teria inflamado após Vânia ter comido 1 kg de chocolate às vésperas da prova da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil).

? Como ela quer que fique bom se ela não seguiu a dieta recomendada? Logo após o procedimento, ela viajou ao Peru e comeu comidas condimentadas. A Vânia me disse que ela teria comido um quilo de chocolates na véspera da prova da OAB.

Vânia, por sua vez, rebateu as acusações de Cecília e afirma que a suspeita não lhe recomendou nenhuma dieta. A vítima também disse que já viajou para o Peru apresentando sintomas de que algo não ia bem no local da aplicação do metacril.

De acordo com Zahra, a falsa médica foi denunciada pelo o Cremerj (Conselho Regional de Medicina) por prática ilegal da profissão, mas ao ser investigada na época, nada foi encontrado.

O delegado disse que já encaminhou as vítimas para fazerem exame de corpo de delito e afirmou que Vânia é indispensável para a conclusão das investigações.

Fonte: r7