Família se desespera ao chegar à creche e saber que filha já tinha sido pega

Menina ficou desaparecida por cerca de 1h30 em Palmas. Prefeitura da capital disse que o caso está sendo apurado.

Os pais de uma menina de três anos levaram um susto ao buscar a filha em uma creche em Palmas e não encontrá-la, nesta segunda-feira (2). A criança, Isabella Campos, ficou desaparecida por cerca de 1h30. Segundo os pais, a menina havia sido entregue a um casal que foi à escola buscar a filha do patrão, que tem o mesmo nome. Quando perceberam o engano, levaram a menina de volta para a unidade educacional.


O pai, Moacyr Duarte Campos, conta que a mãe, ansiosa para ver a filha no final do primeiro dia aula, entrou em desespero. “Eu deixei a criança às 7h. Então quem veio buscá-la, às 17h, foi a mãe. Minha mulher voltou em seguida, chorando e gritando desesperada. Alguém tinha entregado a minha filha para estranhos.”

O episódio deixou a família assustada. Mas, mesmo se sentindo inseguro, ele disse que a menina vai voltar para a creche, já que a unidade é a única opção da família. "Eu não tenho alternativa, vou ter que confiar. Não é possível que aconteça duas vezes", reclamou Campos.

A empregada doméstica Josana dos Santos também é mãe de um aluno que estuda na unidade. Ela conta que a falta de segurança é um problema antigo e pede que seja colocado um vigia no portão para que as crianças fiquem mais seguras. "Já aconteceu no ano passado de uma criança sair só da creche por causa da falta de guarda e nada foi resolvido até agora."

Os funcionários da creche não se manifestaram sobre o caso. A Secretaria Municipal da Educação disse que, no ato da matrícula, os pais ou responsáveis dos alunos assinam um documento indicando o nome de três pessoas que podem buscar a criança na creche. Todos os funcionários estão cientes das regras.

No caso específico do Centro Municipal de Educação Infantil Chapeuzinho Vermelho, o órgão informou que vai apurar o ocorrido e tomar as providências necessárias. O município reforçou que foi um episódio isolado.

Fonte: G1