Mãe pede para internar filha, usuária de drogas: "quero ajuda para poder interná-la"

De acordo com o sociólogo Marcondes Brito, faltam políticas públicas de atendimento a usuários

Vila Irmã Dulce, setor Boa Vista, zona Sul de Teresina. Neste endereço, vive uma família marcada pelo poder destruidor das drogas. A vítima é Patrícia, mãe de três filhos, que hoje é dependente química. Dois dos seus três filhos são criados pela avó, enquanto o terceiro foi doado a uma família da zona sul.

A vítima se recuperou de uma facada que levou em 2013. Ela começou a consumir drogas com 11 anos de idade, hoje está com 24.

O casal de filhos, em conversa com a Rede Meio Norte, mostra que a vida continua ao lado de outras crianças.

A irmã confirma que Patrícia precisa ser internada com urgência. ?Ela sai o tempo todo e chega em casa só de manhã. A gente precisa de um lugar para tratar a dependência porque se ela ficar aqui, vai morrer.?

Patrícia não foi encontrada, depois de dormir fora de casa mais uma vez. A mãe dela, Antonia Nogueira, diz que não quer nenhum outro tipo de ajuda que não seja para internação da sua filha. Ela garante ainda que a filha deseja ser internada. ?Eu quero ajuda para poder interná-la, é esse o tipo de ajuda que eu quero! Ela também quer ser internada. Eu tenho medo que ela seja assassinada?, diz ela.

De acordo com o sociólogo Marcondes Brito, o aumento de usuários de droga é muito grande em todo o Brasil, de modo específico no Piauí. Segundo ele, faltam políticas públicas de atendimento a esses usuários. Segundo as últimas pesquisas, mais de 3 milhões de pessoas consomem ou já usaram droga no Brasil. "Teresina apresenta uma situação caótica nesse tocante (uso de crack). Nós temos um aumento crescente desses usuários e poucas políticas de atendimento a esse sujeito. Eu acredito que é possível resgatar o ser humano tem um potencial de mudança excepcional desde que ele seja estimulado a isso?, conclui Marcondes.

Fonte: Denison Duarte