Famílias do Alto da Felicidade esperam há seis meses pelo início das obras

Atualmente, duas construtoras trabalham na elaboração de projetos para construção de casas, mas uma pendência na documentação do terreno emperra a lib

Famílias do Alto da Felicidade esperam há seis meses pelo início das obras

As cerca de mil famílias despejadas do terreno do Alto da Felicidade estão há mais de seis meses esperando pelo início da construção das casas populares. Eles foram despejados em setembro do ano passado e receberam um prazo de 90 dias para o início das obras. Hoje, eles reclamam do atraso e alegam que receberam mais um prazo de 90 dias.

Atualmente, duas construtoras trabalham na elaboração de projetos para construção de casas, mas uma pendência na documentação do terreno emperra a liberação pela Caixa Econômica Federal.

Enquanto isso, de acordo com o líder comunitário Edvaldo Passos, as famílias continuam com problemas de moradias. ?Tem gente morando de aluguel, em casa de sogra e até em abrigo?, diz.

Para discutir esse problema, uma audiência pública será realizada hoje na Câmara Municipal de Teresina. A audiência foi solicitada pelos vereadores Teresa Brito (PV), R. Silva (PP) e Décio Solano (PT). Os parlamentares querem explicações dos responsáveis pelas obras sobre os motivos do atraso. Os despejados prometem uma manifestação pacífica no local.

A vereadora Teresa Brito destaca que a discussão é necessária para impulsionar a solução do problema, que vinha sendo discutida em vários órgão, mas agora esbarrou em problemas de documentação. ?Nosso objetivo com esta audiência é acelerar o processo?.

A Agência de Desenvolvimento Habitacional informou que para dar início às obras é preciso que o terreno esteja regularizado e que os projetos habitacionais sejam aprovados pela Caixa Econômica Federal, o que deve acontecer em um prazo de até 40 dias. ADH informou ainda que há problemas na documentação do terreno, mas que o proprietário está mobilizado para regularizá-lo.

Fonte: Carolina Durães, Jornal Meio Norte