Fazenda da Paz cria máquina que mudará vida de mulher quebradeira de coco babaçu

Fazenda da Paz cria máquina que mudará vida de mulher quebradeira de coco babaçu

Um aparelho desenvolvido em parceria entre a Fazenda da Paz e pesquisador de beneficiamento de coco babaçu promete melhorar a vida das mulheres

A comunidade terapêutica Terra da Esperança, da Fazenda da Paz, vem realizando um projeto inovador e que pretende melhorar de forma significativa a vida das pessoas que vivem do beneficiamento do coco babaçu, matéria-prima abundante em boa parte do Piauí e também nos Estados do Maranhão e Tocantins.

De acordo com informações repassadas pelo diretor da Fazenda da Paz, Célio Barbosa, pesquisas para a melhoria da extração do coco babaçu existem há muito tempo, mas há cerca de dois anos ele foi procurado pelo pesquisador e microempresário Demóstenes Cardozo Leite.

Com vasta experiência na área, o pesquisador vem estudando a fabricação e viabilidade técnica, há anos, de uma máquina que pudesse ajudar nesse beneficiamento.

?A partir daí, começamos a trabalhar em um projeto para a viabilização da construção dessa máquina que hoje está patenteada e agora só precisa do apoio para que os polos e núcleos sejam implantados dentro dessas comunidades das quebradeiras de coco babaçu e isso vai mudar completamente a vida dessas pessoas, em especial das mulheres?, conta Célio Barbosa.

O projeto encabeçado pela Fazenda da Paz consiste em levar esses polos com a máquina que separa todas as partes do coco babaçu - fibra, mesocarpo, endocarpo e amêndoa - para as comunidades carentes, onde o babaçu faz parte do meio de subsistência.

?O equipamento é capaz de fazer o beneficiamento de todas as partes do coco, da casca às amêndoas, e permite o aproveitamento total do coco. Ao conhecer o trabalho da Fazenda da Paz, ele nos procurou e decidiu que podíamos fazer um projeto juntos, e através disso mudar a vida de milhares de famílias?, explica.

Polos podem chegar também ao MA e TO

O fato é que o Piauí tem cerca de 900 mil hectares de babaçuais, contudo, devido à forma precária com que é realizada a extração das amêndoas, pouco é aproveitado das outras partes do babaçu, pois praticamente apenas o óleo da amêndoa é retirado.

Com o equipamento inovador apresentado pela Fazenda da Paz, é possível produzir vários produtos ecossustentáveis como o carvão vegetal, xaxus que são utilizados a partir da fibra para fazer vasos de plantas, ração animal, farinha para ser usada na multimistura que combate a desnutrição infantil, além de muitos outros subprodutos.

De acordo com o estudo de viabilidade técnica e econômica realizado com a ajuda de instituições sérias, a exemplo do EMATER, cada uma dessas máquinas pode garantir o sustento de até cem famílias, ou seja, proporcionar uma mudança de vida para muitas famílias que vivem em assentamentos e pequenas comunidades. A potencialidade é grande, tendo em vista que, juntos, os três Estados, Piauí, Maranhão e Tocantins, possuem cerca de 25 milhões de hectares com a árvore nativa.

A realidade é que, nas condições atuais, as quebradeiras de coco ganham muito pouco e trabalham em péssimas condições de trabalho, sujeitas diariamente ao risco de sofrer mutilações e vítimas mais frequentes do câncer de colo de útero devido às condições de trabalho.

Apoio pode viabilizar melhorias no projeto

Segundo Célio Barbosa, o projeto não é voltado apenas para a Fazenda da Paz, mas, principalmente, para as famílias que vivem da extração do óleo de coco.

"Pode-se criar uma nova cadeia produtiva, o coco é uma cultura nativa e tem o ano inteiro, muita gente vai poder trabalhar catando o coco, outros no transporte, cooperativas podem fazer o beneficiamento com a máquina, enfim, será uma forma de aproveitar de forma correta e sustentável essa enorme riqueza que é o babaçu", conta.

Ao ser viabilizado o projeto que é encabeçado pela Fazenda da Paz, estaria ajudando essas famílias e também capitalizando meios para que a comunidade terapêutica busque alternativas para dar mais acesso a pessoas que possuem problemas com drogas, dependência química e que necessitam de tratamento.

"Atualmente ajudamos cerca de 4 mil pessoas no tratamento contra a dependência química e com este projeto poderemos ter condições dignas de fazer muito mais.

Com apenas uma máquina dessa, é possível gerar 4 novas microempresas por conta da destinação a ser dada com o beneficiamento do coco babaçu. É um projeto inovador e revolucionário que só precisa de apoio para funcionar de maneira efetiva e mais rapidamente poder gerar seus benefícios, finaliza o diretor da comunidade terapêutica.

Fonte: Marcilany Rodrigues