Fiscalização da venda de gás de cozinha segue até o final de julho

Fiscalização é para venda do produto está ocorrendo de forma

O Instituto de Metrologia do Piauí iniciou segunda-feira (13) a segunda etapa da “Operação Gás LP”, para fiscalizar a comercialização de botijões de gás Liquefeito de Petróleo (GLP) na capital.

A operação, iniciada na última quarta-feira (8), será estendida até o dia 31 de julho deste ano e tem como objetivo identificar se a venda do produto está ocorrendo de forma irregular na cidade. Além do Corpo de Bombeiros e Polícia Militar, os fiscais do Imepi terão a companhia de uma comissão de vereadores de Teresina.

“Depois que compram o botijão de gás de cozinha muitos consumidores reclamam, que o produto está abaixo do peso anunciado pelos comerciantes”, afirma o vereador Edilberto Borges, autor do requerimento enviado pela CMT ao Imepi, solicitando a fiscalização.

De acordo com o diretor geral do Imepi, Maycom Danilo, o peso obrigatório para revenda do botijão é de 28 kg, sendo 15 kg do recipiente, mais 13 kg do combustível.

“Essa operação é importante para que os consumidores tenham os seus direitos respeitados e os culpados por essa prática ilegal sejam punidos”, ressalta Danilo.

Todos os depósitos e postos de revenda de GLP da capital deverão ser fiscalizados até o fim desse mês. Os comerciantes acompanharão toda a análise definitiva dos botijões no próprio local de comercialização e, em caso de irregularidade, o material é isolado, gerando multa entre R$ 100 a R$ 1,5 milhão pelo fabricante ou revendedor, dependendo de qual dos dois foi responsável pela irregularidade.

Os fiscais também irão fiscalizar o estado físico dos botijões, observando, por exemplo, se existem partes amassadas ou lacre rompido nos vasilhames.

Fonte: Jornal Meio Norte