Fotos mostram efeito de bombas em centro sírio após ataque dos EUA

Imagens de satélite mostram centro de pesquisa sírio após ataque

O bombardeio lançado pelos Estados Unidos, França e Reino Unido, na sexta-feira (13), contra o governo de Bashar Al-Assad teve três alvos ligados ao programa de armamento químico sírio perto de Damasco e no centro do país.

Imagens de satélite divulgadas pela agência Associated Press mostram o centro de Pesquisa e Desenvolvimento Barzah, nos arredores de Damasco, antes do bombardeio, e no sábado (15), após ser atingido por mísseis.

Além desse centro de pesquisa, outros dois alvos foram atingido em Homs (leste do Pentágono): um armazém de armas químicas – em que os EUA acreditam que estavam estoques de gás sarin – e uma base que também teria armas químicas.

Bombardeio de sexta

A ofensiva internacional foi uma retaliação contra uma ação do governo de Assad na cidade de Duma, a principal da região de Guta Oriental, em 7 de abril. O regime sírio foi acusado de utilizar gás tóxico, deixando 40 mortos e dezenas feridos. O governo sírio nega o uso de armas químicas, que são proibidas por convenções da Organização das Nações Unidas (ONU).

Para os presidentes dos Estados Unidos, Donald Trump, e da França, Emmanuel Macron, a ação conjunta foi perfeitamente executada. Ela é considerada pontual contra a utilização de armas químicas e não equivale à entrada dos três aliados no conflito na Síria, que já dura sete anos.

O presidente dos EUA disse que o uso de armas químicas foi uma escalada significativa e que as ações de Assad foram as "de um monstro". "Esse massacre [em Duma] foi uma escalada significativa em um padrão de uso de armas químicas por aquele regime terrível", afirmou.

"Não declaramos guerra ao regime de Bashar Al-Assad", afirmou Macron em uma entrevista na televisão, no domingo, em sua primeira manifestação pública depois do bombardeio.


Fonte: Com informações do G1
logomarca do portal meionorte..com