Funcionário manda cliente insatisfeita "procurar um macho"

Por meio do perfil da companhia na rede social, ele chamou a cliente de "mimada" e de "comunistazinha de m*"

Um funcionário da empresa de acessórios Visou foi obrigado a fazer uma retratação pública por ofender, via rede social, uma consumidora que não recebeu a compra que fez e resolveu reclamar com o perfil da loja na rede social Facebook.

Por meio do perfil da companhia na rede social, ele chamou a cliente de "mimada" e de "comunistazinha de m*" e a mandou "procurar um macho".

A companhia, depois, divulgou uma retratação pública em sua página, assinada pelo funcionário.

A retratação, aparentemente feita às pressas, foi copiada de um outro documento encontrado na internet, sendo acrescentados os nomes da loja e do funcionário e a data do ocorrido.

A loja afirma que efetuou o estorno do pagamento, alegando que a cliente fez a compra em julho --e não no início do ano, como ela disse em seu perfil da rede social.

As ofensas ocorreram no último domingo e a loja disse que o funcionário já foi demitido.

Segundo a Visou, o que houve foi um mal entendido cometido por um de seus ajudantes. A companhia disse que nunca deixou de reembolsar ninguém que tenha se sentido lesado.

De acordo com a companhia, quando o cliente faz a compra ele tem ciência da demora, uma vez que a loja especifica o prazo de até 15 dias úteis após a postagem.

A companhia afirma que o site saiu do ar porque o número de acessos "explodiu", e que voltará em breve com estrutura melhorada.

Leia a íntegra da retratação:

"Eu, G.S.C*, Solteiro, Brasileiro, e responsável pela atitude de causar desconfortos verbais e informação inverídica ocorrida no dia 9 do mês de setembro de 2012, em nome de toda a equipe, desejo por meio desta retratação pública, pedir desculpas Marina Gazire Lemos. Cabe acrescentar que o reembolso foi efetuado no mesmo dia (09/09), e a cliente pode confirmar isso.

Reitero publicamente, com a consciência de que atos como estes jamais se repitam. Reconheço ainda não serem verdadeiras as afirmações realizadas e que agi fora de minha razão. Serve a presente nota de desagravo para restabelecer a verdade de idoneidade e honra do ofendido e de seus familiares. Nos desculpamos também com o público em geral. G.S.C. e Visou"



Fonte: Folha