Funcionários dos correios podem entrar em greve no próximo mês

De acordo com José Rodrigues, presidente do Sindicato dos Correios no Piauí, o projeto não se trata de uma reestruturação dos Correios, mas sim de uma privatização disfarçada.

CONFIRA A REPORTAGEM COMPLETA NA EDIÇÃO DESTE SÁBADO (28) DO JORNAL MEIO NORTE

Por: Márcia Gabriele

Os funcionários dos Correios do Piauí podem aderir à greve, em nível nacional, prevista para ocorrer no dia 18 de março, por tempo indeterminado, que será decidida a partir de assembleias a serem realizadas ainda no início de março deste ano.

O Sindicato dos Trabalhadores dos Correios do Piauí (Sintect-PI) já convidou a categoria para participar da assembleia geral, que está prevista para acontecer nesta quinta-feira, 5 de março. Na oportunidade, será decretado o estado de greve do corpo funcional.

O objetivo da greve é em protesto ao projeto chamado de “Nova Estrutura dos Correios”, que foi apresentado pelo o Governo Federal, em reuniões, nos dias 22e 23 de janeiro deste ano, que consiste na divisão da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) em empresas menores que serão administradas pela CorreiosPar.

De acordo com José Rodrigues, presidente do Sindicato dos Correios no Piauí, o projeto não se trata de uma reestruturação dos Correios, mas sim de uma privatização disfarçada.

“A greve é por conta de um processo de privatização do ECT, que o Governo Federal chama de reestruturação, mas o Sindicato entende como privatização. Essa mudança destrói o caráter público da empresa, que é de serviço ao interesse do povo brasileiro, pois serão contratadas empresas subsidiária e terceirizada, que abocanharão todo o setor rentável, que se dá através de encomendas, malotes e o sedex. Será uma transferência do capital público para o privado”, explica o presidente do Sintect-PI.

José Rodrigues destaca ainda que esse modelo, já utilizado em outros países, provocou além da demissão em massa, a perda dos serviços essenciais obrigatórios da sociedade.

Fonte: Márcia Gabriele