Furacão da CPI demitida chama Congresso de machista e prepara contra-ataque; veja

Furacão da CPI demitida chama Congresso de machista e prepara contra-ataque; veja

Com agenda cheia, Denise Rocha afirma que deixou investigação com polícia do DF

Demitida no início de agosto depois de um vídeo erótico que vazou e se espalhou pelo Congresso Nacional e foi parar na internet, a advogada e ex-assessora parlamentar Denise Rocha classificou o Parlamento brasileiro como machista em entrevista.

? O Congresso brasileiro demonstrou ser machista com o que aconteceu comigo. Se fosse um homem [no vídeo], dificilmente seria demitido.

Capa da Playboy de setembro, Denise, que ficou conhecida como a Furacão da CPI, reafirmou que vai usar o dinheiro do ensaio sensual para pagar seus defensores.

? Eu já tinha dito isso, de que vou usar o dinheiro do cachê da revista para pagar os peritos e advogados que trabalham no caso.

Denise, que trabalhava para o senador Ciro Nogueira (PP-PI), ganhou fama na mídia brasileira em agosto, depois que um vídeo íntimo dela vazou e virou assunto entre parlamentares e jornalistas que cobrem a CPI do Cachoeira no Congresso.

Há cerca de uma semana, Denise disse que, apesar da exoneração do cargo de assessora, já foi procurada por deputados e senadores para voltar a trabalhar no Congresso. Agora, no entanto, a Furacão da CPI diz só pensar em divulgar o ensaio que fez para principal revista masculina do País.

Para encontrar o responsável por vazar o vídeo no Congresso, Denise foi atrás de uma defensora especializada em crimes de internet ? a advogada Mariana Kreimer ? e disse que, apesar de poder ajudar profissionalmente no processo por ser da área, se limita a divulgar o ensaio sensual no momento.

? Pessoalmente, não estou ajudando a investigar o caso. Contratei uma advogada criminalista, que tem uma equipe muito boa, para trabalhar em cima do caso, especificamente. Essa não é minha área. Trabalhei nas áreas tributária, eleitoral, cível.

A investigação do vazamento do vídeo íntimo depende da Polícia Civil do Distrito Federal, que está em greve. Segundo a ex-assessora, o vídeo foi produzido em um apartamento com um policial em 2006. Ela não ficou com as imagens e não sabe como elas vazaram depois de tanto tempo.

Silicone

Durante as divulgações da revista pelas cidades brasileiras, Denise chama a atenção pelas curvas. Apesar da dúvida de dez em cada dez fãs, a ex-assessora afirmou com bom humor que não colocou prótese de silicone após a publicação da revista.

? Vocês, que são da imprensa, sabem mais que eu que, quando alguém faz um trabalho da Playboy, a agenda é pesada. Como eu iria colocar uma prótese se eu tenho um contrato a cumprir? Eu simplesmente não paro em Brasília. Colocar silicone não é igual a escovar os dentes!

Fonte: R7, www.r7.com