Garçom defende criança com Down e vira ídolo na internet

Garçom defende criança com Down e vira ídolo na internet

Na internet, milhares de comentários na página do restaurante também apoiam a atitude de Garcia.

A atitude de um garçom americano que se recusou a atender uma família preconceituosa está levantando aplausos na web. Segundo o Mashable, Michael Garcia, da Laurenzo"s Prime Rib, em Huston, no estado do Texas, foi servir uma família e recebeu o seguinte pedido: "crianças com necessidades especiais deveriam ser mantidas em lugares especiais".

O "pedido" era uma referência à mesa do lado, onde um garoto com síndrome de Down jantava com os pais. Garcia se recusou a atender a família, que mudou de lugar no restaurante mas saiu logo na sequência.

"Pensei se poderia perder meu emprego ou não, mas sabia que aquilo não era certo. Eu poderia encontrar outro emprego", disse o garçom à revista Whine and Dine, citada pelo site americano. ""Ele realmente disse isso na frente dos próprios filhos?"", Garcia lembrou de pensar, na hora.

Kim Castillo, a mãe de Milo, a criança em questão, também escreveu à revista. "Jantando no Laurenzo"s e uma família de quatro pessoas pediu para trocar a mesa, que era ao lado da nossa. Não dei muita bola, mas logo depois eles saíram do restaurante, olhando para a nossa mesa enquanto iam embora (achei que estava sendo paranoica). No fim, (descobri que) eles falaram para o garçom que "crianças especiais deveriam ser mantidas em lugares especiais". O garçom prontamente disse a eles que estava ofendido pelo comentário e se recusou a servi-los. "Uhul" para pessoas como Michael, Candace e Eric do Laurenzo"s", relatou.

Na internet, milhares de comentários na página do restaurante também apoiam a atitude de Garcia. "Muito obrigada, senhor Garcia, por defender uma criança com necessidades especiais. Você não precisava tê-lo feito, mas que coisa maravilhosa! Gostaria que houvesse mais pessoas como você no mundo! Uma pena que eu não moro em Houston", escreveu Justine Witkowski, que se identifica como mãe de uma criança com necessidades especiais.

Fonte: Terra