Golpe usa nome do MEC para premiar escolas

Entre as premiadas, estão faculdades reprovadas pelo MEC, além de colégios mal classificados no Enem

Um obscuro instituto da Grande São Paulo vende, por cerca de R$ 2.000, um "prêmio" educacional com falso aval do Ministério da Educação. Anualmente, 150 escolas, supletivos e faculdades compram o direito de ser premiadas como as "melhores instituições de ensino do Brasil", à revelia do ministério. Tal raking, na verdade, não existe.

É o que informa reportagem de Ricardo Gallo publicada nesta segunda-feira pela Folha (íntegra disponível para assinantes do jornal e do UOL). O MEC pedirá que a Polícia Federal investigue o caso.

Entre as premiadas, estão faculdades reprovadas pelo MEC, além de colégios mal classificados no Enem, exame que avalia o ensino médio. Instituições que recebem o prêmio disseram não saber que não havia aval do Ministério da Educação.

A premiação existe desde 2005. Luís Renato Nogueira, dono do Instituto Brasileiro de Pesquisa de Qualidade Gomes Pimentel, admitiu que usa dados não oficiais e disse que cobra só convites adicionais para o evento do prêmio.

O ministério pedirá para a Polícia Federal investigar o caso e tomará as "providências

judiciais cabíveis". Por meio da assessoria de imprensa, o ministro Fernando Haddad se disse perplexo. O MEC disse que fará campanha para divulgar em todo o Brasil índices oficiais, de modo a evitar o uso indevido de dados federais.

A premiação foi em novembro, em um bufê no Tatuapé (zona leste de SP). O paraninfo foi um homem que disse representar o ministro Fernando Haddad --chamado de "Haddads" .

Fonte: UOL