Governo compra avião de R$ 87 milhões para substituir aeronave da Presidência

Aeronave fabricada pela Embraer será usada em viagens presidenciais

 O governo apresentou nesta sexta-feira (25) o jato Embraer 190 que vai substituir um dos aviões reservas da Presidência da República, que estava em uso desde 1976. A aeronave custou R$ 87 milhões e já foi paga.

O avião tem espaço para 54 passageiros e uma área exclusiva para descanso e para reuniões do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Na área reservada para o presidente, os espaços entre as poltronas, que são revestidas em couro, são maiores do que no restante da aeronave. Em todas as poltronas há monitores de LCD.

O novo avião foi batizado com o nome do padre e inventor brasileiro Bartolomeu de Gusmão, que há 300 anos apresentou à corte portuguesa sua mais conhecida invenção, um balão de ar quente. O jato está equipado com equipamentos de segurança e informação que permitem ao presidente falar ao telefone e acessar a web. O Embraer 190 é utilizado principalmente na aviação comercial e sofreu várias adaptações em sua configuração usual para atender às especificações da Força Aérea Brasileira (FAB).

O modelo tradicional do jato atende até 114 passageiros. Até o final do ano, o governo pretende substituir o outro avião reserva da Presidência por mais um jato da Embraer. Ao todo, o governo vai pagar R$ 211 milhões para a empresa pelos dois aviões, considerando os adicionais de logística e manutenção previstos no contrato.

O novo avião tem autonomia para voar para todos os países da América do Sul, partindo de Brasília, sem paradas para abastecimento. Na semana que vem ele já fará sua estreia. A aeronave vai até Lisboa, em Portugal, e depois para Copenhage, na Dinamarca, e a partir de lá levará o presidente a outros países da Europa. "Sucatinha" A antiga aeronave usada pela Presidência, apelidada de “sucatinha” por conta do ano em que foi fabricado e dos vários problemas técnicos que apresentou, será licitada, segundo o governo. Segundo a FAB, apesar de o "sucatinha" cumprir suas missões, sua manutenção começou a ficar muito cara, já que o modelo comercial saiu de linha.

Um dos problemas apontados pela Aeronáutica é o fato de os ruidosos turbojatos dos Boeing 737-200 sofrerem restrições de horários para operações e até mesmo proibição de pouso e decolagem em alguns aeroportos da América do Norte e da Europa.

Fonte: g1, www.g1.com.br