Governo propõe aumento de até 45% para professores universitários

A proposta do governo tem como critério o estímulo à dedicação exclusiva e a produção acadêmica nas universidades e escolas técnicas

A ministra do Planejamento, Miriam Belchior, apresenta neste momento uma proposta definitiva de aumento para professores universitários e de escolas técnicas de aumento dos salários de até 45% em três anos. O reajuste terá um impacto no orçamento da União de R$ 3,9 bilhões.

Participam da reunião com os representantes dos sindicatos a ministra Miriam Belchior e o ministro da Educação, Aloísio Mercadante. O movimento grevista nas federais, em alguns estados, dura cerca de dois meses.

A proposta do governo tem como critério o estímulo à dedicação exclusiva e a produção acadêmica nas universidades e escolas técnicas. Por essa proposta, o salário de um professor universitário com doutorado e dedicação exclusiva vai passar dos atuais R$ 11.700 para R$ 17 mil até 2015. Será um reajuste de 45% em três anos.

Para professores com doutorado e pouco tempo de vida acadêmica, o reajuste será de 33%, passando dos atuais R$ 7.300 para R$ 10 mil. Pela proposta, haverá um estratégia de alongar a carreira do professor universitário com novas faixas salariais. Os professores com mestrados terão reajustes de entre 25% e 27%. Também será estimulada a titulação dos professores de escolas técnicas.

?Essa não é uma proposta para negociação. Essa é a proposta do governo para valorizar a educação?, disse Miriam Belchior ao Blog. Ela lembra, que os professores universitários já tiveram reajuste de 4% esse ano. ?Os professores estão no topo da lista de prioridades. Mas houve precipitação dessa greve. Com essa proposta, o governo confia que atende as reivindicações da categoria?.

A ministra do Planejamento ressaltou ainda que é preciso fazer uma proposta realista para as contas públicas num momento de crise financeira internacional. Sobre as reivindicações das demais categorias, ela é cautelosa. ?Nós não temos carreiras com perda salarial. Agora, estamos fazendo as contas para fazer uma proposta responsável. É preciso ver o que é possível para 2013?, ressalta Miriam Belchior.

Fonte: G1