Greve dos Correios completa 13 dias e 35% das cartas estão atrasadas

Greve dos Correios completa 13 dias e 35% das cartas estão atrasadas

Grevistas demandam reajuste de R$ 200, reposição inflacionária de 7,16% e piso salarial de R$ 1.635.

Apesar da greve continuar, os Correios informaram que cerca de 9,4 milhões de correspondências foram entregues no último final de semana, por meio de mutirão. A paralisação dos funcionários completou 13 dias ontem. Segundo os Correios, 18% de funcionários aderiram à greve e 35% das entregas estão atrasadas.

Nesta segunda-feira, o comando nacional da Fentect (Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas dos Correios, Telégrafos e Similares) emitiu nota aos sindicatos regionais recomendando a manutenção da greve por ?tempo indeterminado?.

A federação demanda reajuste de R$ 200, reposição inflacionária de 7,16% e piso salarial de R$ 1.635. Para a Fentect, a resposta dos Correios às propostas feitas pela federação, na semana passada, não foram satisfatórias. Na última sexta-feira (23), a empresa propôs reajuste de 6,87% sobre o salário e os benefícios, R$ 50 de aumento linear a partir de janeiro de 2012 ? o que representa um aumento de 13% para 60% dos trabalhadores ? e R$ 800 de abono.

Tal proposta foi a reapresentação do que os Correios haviam oferecido no início da greve. Os funcionários da empresa afirmam que a resposta mostra a ?intransigência? dos Correios ao se ?recusar a negociar com os trabalhadores?, segundo nota.

?Nós já apresentamos nossa proposta e a empresa deu negativa. Não tem porque apresentarmos novas demandas, a não ser que reabram as negociações. Como não há nada oficial até o momento, não há o que fazer?, disse José Gonçalves de Almeida, diretor da Fentect.

De acordo com os Correios, as demandas mais recentes da Fentect estão ?acima das possibilidades orçamentárias da empresa e inviabilizariam a sustentabilidade da ECT?, por ter impacto de R$ 4,3 bilhões na folha de pagamento ? cerca de 70% do custo anual da folha. Caso fosse atendida, a proposta da federação causaria elevação de despesa com pessoal para 80% do orçamento da empresa.

Fonte: Jornal Meio Norte