Greve paralisa 1.800 motoristas e cobradores de ônibus em Teresina

As paradas de ônibus ficaram lotadas

Os motoristas, cobradores e fiscais das empresas de ônibus urbano de Teresina paralisaram suas atividades desde as 0h desta quinta-feira (21). O vice-presidente do Sindicato dos Trabalhores em Empresas de Transporte Rodoviário Centro em Teresina (Sintetro), Francisco das Chagas Oliveira, declarou que a greve foi deflagrada porque houve rompimento da convenção coletiva de trabalho que prevê o adiantamento de 40% dos salários no dia 20 de cada mês e os 60% restante no dia 5 do mês subsequente.

Segundo ele, estão paralisados 1.800 trabalhadores entre motoristas, cobradores, fiscais e mecânicos e 440 ônibus de 4 consórcios estão paralisados. Os coletivos da Transcol e Viação Piauiense ainda não saiu nenhum ônibus e os motoristas estão todos

O diretor presidente da Transcol, Edimilson Carvalho, disse que ficou surpreso com a paralisação. “Eu estava de férias e agora pela manhã eu fui surpreendido com a greve. Acontece que a prefeitura de Teresina não está nos repassando o subsidio da meia passagem dos estudantes

O presidente do Sintetor, Fernando Feijão, disse que os empresários alegam que a prefeitura deve cerca de R$ 15 milhões do subsidio para as tarifas de estudantes que ficaram congelados no aumento que foi dado em maio, quando as passagens de ônibus foi para R$ 2,75 e as tarifas de estudantes ficaram congeladas em R$ 1,05.

Segundo ele, os empresários afirmam que a prefeitura deveria ter depositado R$ 1,5 milhão para as empresas honrarem o pagamento do salários dos seus funcionários. “Os empresários nos dizem que como não recebem esse dinheiro, não tem como pagar o salário. Infelizmente a população fica prejudicada porque não tem como trabalharmos sem receber nosso dinheiro”, disse.

Francisco das Chagas Oliveira acrescentou que só irão funcionar 30% dos ônibus da frota de 440. Ele disse ainda que não foi preciso anunciar a greve para os empresários, Ministério do Trabalho e Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (Strans). As paradas de ônibus ficaram lotadas com centenas de passageiros esperando por um ônibus que só começaram a sair das garagens às 07h30.

Francisca Soares, que ia da Tabuleta para Promorar e estava na parada de ônibus na avenida Miguel Rosa e declarou que a greve surpreendeu a todos. “Eu não sabia da greve, fiquei surpresa”, disse. Fátima Costa ia para Piçarra fazer tratamento ortopédico e ficou revoltada com a situação. “Estou na parada desde cedo e não passa nenhum ônibus. As vans estão lotadas como lata de sardinhas”, declarou a usuária.

Image title

Image title

Image title

Image title

Image title

Image title

Image title

Image title

Image title

Image title

Image title

Image title

Image title

Image title

Image title

Fonte: Com informações do Efrem Ribeiro