Grevistas não cumprem decisão do TST no Piauí

Grevistas não cumprem decisão do TST no Piauí

Os Correios do Piauí possuem hoje 1.328 funcionários, e, destes, 70% continuarão parados

Os Correios do Piauí continuarão trabalhando com apenas 30% dos seus funcionários, contrariando a

determinação do Tribunal Superior do Trabalho, que prevê que 40% dos empregados de cada unidade operacional da empresa permaneçam em atividade, durante o movimento grevista. De acordo com o presidente do Sindicato dos Trabalhadores dos Correios do Piauí, Ariston Teles, o cumprimento dessa determinação é inviável para a categoria.

?Essa determinação não será cumprida. A Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares não tem como ordenar que 40% volte a trabalhar. Se isso acontecer, é melhor acabar a greve?, disse. De acordo com a decisão do TST, caso não seja cumprida a determinação, a Federação Nacional dos Trabalhadores em empresas de Correios e Telégrafos e Similares deverá ser punida com multa diária de R$ 50 mil.

Os Correios do Piauí possuem hoje 1.328 funcionários, e, destes, 70% , segundo Teles, continuarão parados até que se chegue a um acordo favorável à categoria. Com isso, mais de um milhão e meio de cartas do Estado estão paradas, desde o início da greve. ?O próprio Sedex está com atrasos e os

funcionários estão lutando para colocar em dia. O restante das cartas estão todas paradas, porque não há condições nem de colecioná-las?, afirmou.

Uma das preocupações dos últimos dias é em relação aos cartões de inscrição do Exame Nacional do Ensino Médio. De acordo com nota enviada à imprensa pela Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT), as provas vão chegar aos locais de aplicação, assim como os cartões chegarão aos alunos.

De acordo com Ariston Teles, os funcionários em greve não serão responsáveis pela distribuição das provas e cartões. ?Os Correios deverão usar pessoal terceirizado para alcançar essa meta, pois os grevistas não irão realizar este serviço e o percentual de pessoas que está na ativa não conseguirá distribuir tudo a tempo. Se não usar terceirizados, eles não conseguirão?, disse.

Fonte: Maria Carcará