Grupo busca tirar jovens das drogas com conversa em Teresina

Grupo tem iniciado ações desde março deste ano.

O desafio de transformação realizado pela Câmara de Enfrentamento ao Crack nos bairros de Teresina já chegou à vila Parnaíba e tem iniciado ações desde março deste ano.

Através do ??Projeto Sorria para a Vida??, seus membros, moradores do próprio local, buscam através de conversas e do lazer conscientizar sobre o risco das drogas.



Gorete é coordenadora do projeto no bairro e garante que o grupo tem procurado soluções através dessas ações.

?Nós não vamos acabar com as drogas, mas pretendemos combater. A droga se combate com a prevenção, educação e informação e não prendendo, agredindo. A droga sempre vai existir e cada vez mais perigosa, mas se não tiver ações no sentido de conscientizar, ela vai atacar cada vez mais jovens?.

Segundo Gorete, a comunidade em que vive é bastante perigosa e muitos dos jovens que hoje estão no mundo das drogas foram crianças que ela viu crescer. Com mais de 700 famílias, onde grande parte delas vive com cinco ou mais membros dentro de casa, a realidade da falta de lazer e sobretudo educação faz com que se tornem mais vulneráveis.

As rodas de conversa que acontecem uma vez ao mês são o espaço para que os participantes possam contar seus problemas e buscar, junto aos demais, soluções. Além disso, os momentos de lazer são feitos na própria praça. Cada morador contribui de alguma forma e juntos promovem a cultura através do cinema, música ao vivo e feiras culturais.

Lazer para tirar os jovens do mundo das drogas

A agente de saúde Maria José também é integrante do grupo e afirma que cerca de 60% dos moradores são formados por jovens. A propósito, são eles também os responsáveis pelo maior número de óbitos da comunidade. ?Se morre um idoso a cada cinco anos, aqui morre um jovem a cada mês?, afirma Maria José.

A falta de acesso ao lazer mais próximo à comunidade acaba facilitando o acesso a outras formas de entretenimento e, muitas vezes, o envolvimento com o tráfico acaba levando-os à morte.

?A gente visita muitas famílias e eles dizem que a comunidade não tem lazer. A comunidade só tem bares e lá onde encontram as drogas lícitas. Mas todo mundo sabe que se começa por elas. É ali o despertar para a maconha e outras drogas pesadas. Aqui falta lazer, cultura, falta educação, principalmente dos pais?, alerta.

Antonieta é uma moradora bastante antiga da comunidade e entrou para o Grupo Sorrindo para a Vida para contribuir com ações sociais. Mas, mesmo antes disso, já tinha a consciência da importância que um lazer pode proporcionar àquelas centenas de crianças.

Há algum tempo, ela disponibilizava os sábados para reunir crianças da comunidade e levá-los ao campo de futebol próximo ao local e lá tinham uma manhã de lazer, longe das drogas. A Vila Parnaíba, apesar de ser pequena, não possui uma área de lazer para as crianças da comunidade. A única praça que existe, localizada em frente à escola Valquíria Ferraz, fica totalmente às escuras durante a noite, o que torna impossível um momento de lazer para esses jovens. Portanto, proporcionar oportunidades de lazer, sobretudo nesse lugar, é uma grande oportunidade para até mesmo melhorar a vida da comunidade.

?Esses jovens gostam de esportes. Quando eu levava esses meninos para o campo, eles ficavam todos animados.

Hoje a gente vê que alguns daqueles meninos já entraram para o mundo do crime e a gente acredita que o esporte, educação e cultura são alternativas para tirar esses meninos das drogas. Enquanto estavam ali eles não estavam fazendo besteira. Aqui, com tantas bocas de fumo, é questão de tempo?, avalia.

Fonte: Virgínia Santos