Hyundai HB20, inseguro em teste da NCAP, ganha apenas uma  estrela na proteção à crianças

Hyundai HB20, inseguro em teste da NCAP, ganha apenas uma estrela na proteção à crianças

Latin NCAP divulga resultados de crash test e início de uma nova fase de avaliações

O Programa de Avaliação de Carros Novos para a América Latina, Latin NCAP, divulgou hoje o resultado dos testes de segurança do Hyundai . O hatch da marca coreana obteve três estrelas no quesito que julga a proteção a adultos e apenas uma quando se trata de crianças.

Para a instituição, o HB20 demonstrou boa estabilidade estrutural, mas seus cintos de segurança (e pré-tensionadores) não puderam evitar alta carga em determinadas áreas do corpo dos ocupantes, o que impediu a obtenção de quatro estrelas na segurança oferecida a adultos.

O Latin NCAP aponta, ainda, que a proteção oferecida às crianças precisa ser melhorada, pois um dos sistemas de retenção infantil se rompeu devido às altas cargas a que foi submetido pelo cinto de segurança. Com isso, o boneco que simulava a criança de três anos se chocou contra o assento do banco dianteiro. Além disso, o manequim que representava a criança no bebê-conforto (voltado para o sentido oposto ao do movimento) foi submetido a grande desaceleração.

Novos testes e conclusões do Latin NCAP

A partir deste ano o Latin NCAP vai adotar um novo protocolo e iniciar testes de impacto lateral segundo a norma 95 das Nações Unidas. Outros requerimentos paralelos também serão incluídos para que se possa atingir a classificação máxima. Em julho e por volta de outubro e novembro, novos resultados serão divulgados.

O Latin NCAP realiza os crash tests frontais de veículos cedidos por montadoras ou adquiridos a partir do patrocínio de instituições que apoiam o programa. A colisão é realizada a 64 km/h contra uma barreira deformável descentralizada, que atinge 40% da parte dianteira do veículo. Após o impacto, sensores medem os efeitos do choque sobre dois manequins de tamanho adulto (que ocupam os bancos dianteiros) e outros dois que simulam a presença de uma criança de três anos e outra de um ano e seis meses nos assentos traseiros. A nota máxima para cada avaliação é de cinco estrelas.

Fonte: Auto Esporte