Cresce nº de crianças viciadas em álcool em THE

Cresce nº de crianças viciadas em álcool em THE

Não faz muito tempo o perfil do alcoólatra era um homem de meia idade, hoje esse aspecto tem mudado.

Rogério Francisco de França, tem 38 anos de idade, dos quais 18 foram dedicados quase que exclusivamente ao vício do álcool. Nesse tempo, quase metade de toda a sua vida, ele perdeu empregos, afastou-se de amigos e perdeu até o carinho e a confiança da família. Mas há seis meses, ele iniciou tratamento e busca recuperar tudo o que ele perdeu durante esse tempo e refazer sua vida.

Essa é a história de vida de Rogério, mas o drama não é exclusivo dele, muitos Josés, Franciscos e tantos outros já vivenciaram ou vivenciam junto com suas famílias a degradação proporcionada pelo uso do álcool. Se no caso de Rogério já é possível ver uma luz no fim do túnel, muitos outros ainda buscam por isso. Hoje, dia em que se comemora o Dia do Alcoolatra Recuperado, profissionais que trabalham com a recuperação destas pessoas afirmam que o caminho é difícil, mas é possível voltar a ter uma vida normal.

O diretor do Centro de Atenção Psicossocial Álcool e outras Drogas de Teresina, Mauro Passamani, afirma que o índice de recuperação das pessoas que já passaram pelo Caps AD, desde o ano de 2004, quando ele foi criado, está entre 30% e 37%. Até hoje, cerca de cinco mil pessoas já buscaram tratamento no local. ?As pessoas chegam até nós e iniciam seu tratamento que dura um ano. Quando eles passam esse período todo sem consumir álcool são curados do vício e depois saem do centro e passam a ser acompanhados pelos profissionais da atenção básica, caso ainda necessitem de algum cuidado?, disse.

Mas até chegar ao final do tratamento, são inúmeros os obstáculos a serem vencidos. O primeiro e um dos mais difíceis, segundo Mauro, é o dependente aceitar que precisa de tratamento e buscar a ajuda dos profissionais do Caps AD. ?As pessoas ainda resistem na hora de buscar um tratamento. Além disso, há a necessidade do apoio da família, que muitas vezes já está cansada de lutar contra esse vício. Há ainda a necessidade de mais Caps AD e também de políticas que busquem a reinserção dessas pessoas no mercado de trabalho novamente?, argumentou Mauro.


Hoje é celebrado o Dia do Alcoólatra Recuperado

Cresce número de crianças e adolescentes dependentes

Se há algumas décadas os homens com mais de 30 anos eram praticamente os únicos quando se falava em dependência do álcool, hoje ambos os sexos e praticamente todas as faixas etárias já engrossam as estatísticas daqueles que consomem bebidas alcoólicas de forma exagerada. O crescimento do número de crianças alcoólatras é um dos quadros que mais preocupa as autoridades em saúde, hoje em Teresina.

?O álcool hoje é uma bebida muito democrática e pode atingir todas as pessoas, das mais variadas classes sociais e idades e de ambos os sexos. Não há restrição. Essa tem sido uma epidemia que tem destruído famílias inteiras?, disse. Antes essas crianças e adolescentes eram tratados no Caps AD, mas com o crescimento desse número surgiu a necessidade de criar um espaço voltado especialmente para elas.

Há alguns dias foi inaugurada a Casa de Acolhimento Transitório Infanto Juvenil, que recebe pessoas com idade entre 10 e 18 anos. ?No Piauí, assim como em todo o Brasil, tem crescido o número de pessoas nessa faixa etária envolvidas com álcool e outras drogas e surgiu daí a necessidade de criação da CATI. Agora o público infanto-juvenil que passa por esse problema já tem onde encontrar tratamento?, afirmou a coordenadora da Casa, Caroline Arnoud.

Fonte: Pollyanna Carvalho