Homem mata namorada grávida de 16 anos e leva sua cabeça decapitada para delegacia em São Paulo

No local, ele mostrou a cabeça e disse que matou a adolescente após ela assumir que o traiu

Um homem de 23 anos confessou ter matado e decapitado a namorada grávida na zona sul de São Paulo. De acordo com a Polícia Civil, o crime ocorreu na quinta-feira (26), mas somente no sábado (28) José Ramos dos Santos se apresentou a uma delegacia levando a cabeça da vítima em uma mochila.

A Secretaria da Segurança Pública informou que o corpo de Shirley Souza, 16, foi encontrado por moradores em uma viela próxima à rua Manuel Rodrigues Mexelhão, na Pedreira, por volta das 19h30 deste sábado (28). Quando soube que o corpo foi localizado, Santos buscou a cabeça na casa dele para levá-la à polícia.

Segundo os policiais, Santos embarcou em um ônibus com destino ao centro com a cabeça da vítima e confessou o crime no 1º DP (Liberdade). No local, ele mostrou a cabeça e disse que matou a adolescente após ela assumir que o traiu.

O corpo decapitado foi encontrado por policiais militares nu, enrolado em um lençol e com as pernas amarradas com fios plásticos. Quando o crime foi comunicado pelos PMs à delegacia mais próxima –o 98º DP (Jardim Miriam)–, o delegado responsável afirmou que o suspeito já tinha se entregado no 1° DP.

Em depoimento à polícia, Santos disse que mantinha um relacionamento com a vítima havia cerca de um ano, mas já desconfiava da traição desde o fim de 2014. Santos disse que Shirley falava sobre relacionamentos que mantinha com outros homens quando ele estava drogado.

O suspeito disse que a desconfiança aumentou após a mulher engravidar, pois ele disse ter visto na carteirinha de saúde dela que sua última menstruação foi em agosto, quando o casal estava separado.

CHEIRO FORTE

Santos afirmou em depoimento que se encontrou com a namorada na última quinta (26) na casa onde ele mora com o irmão, como costumava fazer. Eles tiveram relações sexuais e depois passaram a discutir sobre as possíveis traições de Shirley. A namorada, então, confessou ter se relacionado com um amigo do casal às vésperas do Natal e do Ano Novo.

Após ouvir o relato, Santos contou ter aproveitado que a mulher se preparava para tomar banho para aplicar uma gravata, até ela desmaiar. Ele, então, foi tomar banho e, quando voltou, viu que a namorada tinha morrido.

Santos foi até a cozinha, pegou uma faca e cortou o pescoço da vítima até arrancar a cabeça. Depois, enrolou-a em um saco plástico e a guardou dentro de uma mochila. O corpo foi enrolado em um edredom e escondido atrás de um botijão de gás, com os pés e tronco amarrados com um saco plástico.

Após o crime, o suspeito relatou ter limpado a casa para que o irmão dele não desconfiasse. Também jogou a roupa suja no lixo, lavou o sangue da faca e a guardou novamente, junto com os demais talheres.

O corpo só foi retirado da casa dois dias depois, após o irmão de Santos reclamar de um mal cheiro na casa. Foi quando o homem jogou o corpo debaixo da escada de uma viela.

 

Fonte: Folha