Hospitais de bairros ficam lotados por atenderem pacientes do interior

A demanda é grande demais para que as unidades de saúde possam realizar um atendimento dentro dos níveis aceitáveis de qualidade.

Procurar atendimento médico quando preciso. É bastante comum encontrar pessoas que precisam se deslocar para outros bairros em busca de atendimento.

Contudo, até mesmo os hospitais municipais atendem uma demanda que vem de outros estados, o que contribui para aumentar, e muito, a sobrecarga do sistema de saúde em Teresina.

Essa situação pode ser constata no hospital do Bairro Promorar, zona Sul de Teresina. Alguns pacientes reclamam da demora, mas a questão tem justificativa. É que além de atender moradores dos próprios bairros, também recebem pacientes de outros municípios e até mesmo de outros estados.


Hospitais de bairros ficam lotados por atenderem pacientes do interior

Ou seja, até mesmo os hospitais dos bairros possuem uma demanda do sistema saúde que vem de outros lugares. No caso do Hospital do Promorar, 70% dos atendimentos são de pacientes vindos do interior do estado. Além disso, somente este hospital atende pacientes de pelo menos 18 bairros da região.

?Como não encontram atendimento, porque não oferecem atendimento especializado nos municípios, acabam vindo procurar aqui. Muitos vêm do Maranhão, do Pará e do próprio interior?, afirma a diretora do Hospital Ana Cristina de Andrade.

Embora atenda uma grande demanda do interior, a enfermeira Naila Carvalho não acredita que os hospitais da região, especificamente o Hospital do Promorar, esteja com dificuldades no atendimento devido à uma superlotação.

?Não há superlotação. Temos hoje dois pacientes para cirurgia onde temos 8 leitos, da mesma forma na maternidade. Todos possuem 8 leitos. Então há espaço?, explica.

Atendimentos chegam a 200 por dia

Para que consiga atender esse grande fluxo fortalecido pelos pacientes de outros lugares, os hospitais dos próprios bairros precisam estar estruturados para atender toda a população. Na zona Sul de Teresina os três hospitais públicos municipais oferecem desde o atendimento básico até urgência e atendimento materno.

Enquanto o hospital do bairro Monte Castelo está fechado parcialmente para reforma, hospitais do Parque Piauí e Promorar acabam recebendo a demanda para internações. E ambos dão suporte um ao outro.


Hospitais de bairros ficam lotados por atenderem pacientes do interior

Uma vez que o hospital do Parque Piauí possui urgência e clínica médica, o hospital do Bairro Promorar dá assistência materno-infantil e também o serviço de pronto-socorro. Contudo, ambos possuem uma demanda muito alta. Os dois hospitais juntos, atendem um público médio de 200 pacientes todos os dias.

Para se ter uma ideia, somente no mês de outubro, o Hospital do Parque Piauí atendeu mais de 2800 pacientes em todas as especialidades médicas.

Enquanto o Hospital do bairro Promorar atende no mínimo 90 pacientes todos os dias. A maior demanda foi a ginecologia (610), seguido da clínica médica (544) e pediatria (454).

De acordo com a enfermeira Naila Carvalho, do Hospital do Promorar, todas as áreas tem uma demanda muito alta.

?Chegamos a atender 150, 180 pessoas por dia. O mínimo é de 80 a 90 pacientes?, considera.

E além de pacientes do interior, grande parte do público atendido é de outros bairros da região, como Dona Antônia de Araújo Batista, de 76 anos.

Ela foi na tarde de ontem (26) marcar consulta para o marido e estavam aguardando o atendimento. ?No Angelim só tem um posto de saúde. Como lá não tem, a gente tem que vir pra cá ou para o Dirceu?, considera.


Hospitais de bairros ficam lotados por atenderem pacientes do interior

Ambulatório ajuda a evitar superlotação

Implantado há um mês no hospital do bairro Promorar, o Ambulatório do Trabalhador, projeto da Fundação Municipal de Saúde já tem trazido resultados para o atendimento noturno de hospitais na zona sul.

De acordo com a diretora, Ana Cristina de Andrade, a implantação de atendimento pediátrico e clínica médica em horário diferenciado já trouxe impactos positivos para o atendimento.

"Um mês de ambulatório e já já sentimentos a diferença. Foi de mais ou menos 30% no número de atendimentos", explica a diretora.

Para se ter uma ideia, de acordo com a direção do hospital são realizados 60 atendimentos diários em pediatria e clínica médica. O serviço já existe em outros hospitais de Teresina, como o do Dirceu, na zona sudeste; Lineu Araújo, no centro e Satélite, na zona Leste da cidade. O hospital do bairro Promorar foi o primeiro da zona Sul a oferecer o serviço.

"Antes, as pessoas que iam se consultar à noite iam para a urgência. Mas agora, com o horário diferenciado de atendimento, das 18 horas às 22h, de segunda a sexta-feira, aquelas pessoas que trabalham o dia todo e só podem ir ao hospital à noite podem encontrar médico específico para atendê-los".

Fonte: Virgínia Santos