I Workshop no Ceir debate a importância do esporte na reabilitação de pessoas

A equipe também destacou outra área de atuação da reabilitação desportiva no Ceir

Como o esporte pode ajudar no tratamento para a reabilitação física de pessoas foi o tema do I Workshop da Equipe de Reabilitação Desportiva do Centro Integrado de Reabilitação (Ceir), que aconteceu neste sábado (29), no auditório da instituição. O evento foi direcionado para estudantes de educação física de Teresina, com o objetivo de despertar o interesse para esta área de atuação da profissão.

Com cerca de 140 pacientes atendidos a cada mês, nas modalidades esportivas da natação, basquete, futebol e capoeira, a reabilitação desportiva (RD) é uma das terapias que mais abrange pacientes no Ceir, atualmente. O educador físico Childerico Robson, da equipe de RD do Ceir, relembrou toda a trajetória de instalação e funcionamento do Ceir, bem como da implantação do setor. Todo o trabalho se espelhou no que é desenvolvido na unidade central da Associação de Assistência à Criança com Deficiência (AACD).

?Durante os treinamentos na AACD, o que ficou muito claro para nós foi o quanto o esporte incentiva e trabalha a autoestima dos pacientes, motivando-os a seguir o tratamento e tocar a vida?, relatou Childerico durante o workshop.

A equipe também destacou outra área de atuação da reabilitação desportiva no Ceir, que é a descoberta e preparação de paratletas. ?Sentimos essa necessidade por ver que, após terem alta, alguns pacientes não tinham locais adequados para continuar os treinamentos. Hoje, temos paratletas que se destacam até nacionalmente em competições?, afirmou Lanna Carvalho, também da equipe de RD do Ceir, dando como exemplo os pacientes da natação e do futebol para amputados.

Mãe do pequeno Yves Reis, de quatro anos, Katiucy Freitas relatou durante o workshop a evolução do filho após iniciar o tratamento de reabilitação no Ceir e praticar a terapia da reabilitação desportiva. ?Antes da capoeira, por exemplo, meu filho não conseguia levantar sozinho e hoje ele está assim, correndo e fazendo várias coisas que os médicos afirmaram não ser possível?, relata Katiucy. Yves teve paralisia cerebral e, entre outras terapias, faz natação e capoeira na reabilitação desportiva do Ceir.

A estudante de educação física da Universidade Federal do Piauí (UFPI), Amanda Soares, destacou a importância da realização do workshop. ?É uma área pouco explorada aqui no Piauí e que tem um trabalho que deve ser muito gratificante?, finalizou a estudante.

Fonte: Ascom